Bíblia Insólita

Minha Visão Teológica, Filosófica e Científica

Posts Tagged ‘deus

Quem é Deus?

leave a comment »

Quem é mais inteligente o homem ou Deus?

Lógico que dirão que Deus é mais inteligente Os teístas dizem que precisamos de um criador porque não é possível um ser inteligente ter aparecido naturalmente, como se conhecessem todos os processos da natureza, mas ai fica a pergunta. Quem fez Deus então já que Ele é mais inteligente que o homem? Se a inteligência não pode surgir naturalmente, então como a inteligência de Deus surgiu?

Outro argumento teísta é que não existem coisas naturais. Que tudo foi feito ou fabricado ou criado por alguém, no caso, Deus. Se nada pode surgir naturalmente, se tudo precisa ser feito por alguém, então eu pergunto: Quem fez Deus? Já que tudo que existe precisa ser feito por alguém, então Deus também precisa ser feito por alguém.

De novo os teístas propõem uma regra e dizem que Deus é a exceção a regra.

Dizem os teístas que a consciência é algo tão maravilhoso que não pode ter surgido naturalmente. Que alguém fez a consciência. Deus é consciente? Então quem fez a consciência de Deus? De novo, eles propõem uma regra e dizem que Deus é a exceção.

Raciocínio circular, circular, circular. Fazem uma pergunta e propõem uma exceção e não uma resposta. Chamam isso de responder algo?

Dizem os teístas que Deus é perfeito. Hora, coisas perfeitas não mudam. Se você tem um álbum de figurinhas completo, então você não precisa comprar mais. Já tem tudo que deseja. Se Deus é perfeito, ele não precisa ou deseja nada; nunca precisou ou desejou nada. Necessitar ou desejar implica que falta algo. Um ser perfeito não pode ter criado o universo porque um ser perfeito não teria motivo para isso. Ele já teria tudo que precisava, não desejaria nada porque já estaria plenamente satisfeito. Sendo assim, nada perfeito poderia criar, pois não teria necessidade ou desejo de criar. Criar para que se você já tem tudo que deseja e necessita? Mas teístas dizem que Deus não precisava e não desejava fazer o universo, mas mesmo assim ele cismou de fazer. Sem incentivo algum. Sem eira nem beira. De repente ele acordou e falou:

Vou fazer um universo. Porque vou fazer? Não sei. Desejo fazer um universo? Não, porque não me falta nada, eu tenho tudo que preciso e quero. Porque vou fazer o universo então? Porque me deu na telha.

Um ser vivo tem necessidades e desejos, mas uma coisa não tem nem desejo e nem necessidade. Deus é um ser que não tem nem desejo e nem necessidade, mas mesmo assim ele fez o universo. Sem mais nem menos. Por Acaso. Arbitrariamente.

Depois que Deus resolveu fazer o universo, mesmo sem desejo ou necessidade, ele pensou. “Como será esse universo que farei?”  Pensou como? O pensamento é como uma secreção. Ele gasta calorias porque fica constantemente concentrado no exterior tentando entender e se adaptar ao meio. Sem exterior, Deus pensava no que? Pensava sobre o quê? Sobre si próprio o tempo todo? Não tinha outro assunto?

Mas ai, ele pensou, não sei como, e planejou, não sei como ou por quê, o universo. Pensou em todas as possibilidades, planejou o universo nos mínimos detalhes, sem necessidade, e depois que calculou tudo, deu um passe de mágica e fez surgir tudo do nada.

Do nada?

O ser humano diz que nada pode vir do nada, no entanto, Deus é a exceção, ele pode tirar as coisas do nada. Deus tirou o desejo, a necessidade, os planos e o próprio universo do nada, já que ele não tinha nem necessidade ou desejo ou pensamento ou consciência para fazer o universo.

Falemos de moral. O que é a moral? Um ser que não sofre pode ser moral? A moral existe para facilitar a vida porque somos vulneráveis. Se permitirmos que roubem, seremos roubados e isso não é bom. Se permitirmos que matem, podemos ser mortos e isso não é bom. Se permitirmos a violência, seremos atacados e isso não é bom.

A causa da moral está no fato de termos que sobreviver e não sermos invulneráveis. As regras de conduta têm a ver com a sobrevivência da espécie. Regras de conduta existem até mesmo em animais irracionais. Certas coisas são proibidas porque causariam a extinção ou a dor na espécie. E isso nenhuma espécie quer.

Deus sofre? Morre? É vulnerável? Não! Então ele não tem moral.

Por isso a ideia chamada Deus provocou tantas imoralidades na humanidade. Hebreus mataram milhões em nome de Deus. Árabes também. Cristãos também. Eles matam sem dó porque não acreditam na morte. Acham-se invulneráveis. Acham que tem uma alma imortal. Se você tem uma alma imortal, então a morte nada significa. Você pode morrer e matar com mais facilidade. Quer um incentivo maior a guerra do que esse? Você não está destruindo ninguém, a morte é simplesmente uma “mudança de plano” porque você é imortal de fato.

Teístas dizem que todos têm que ser morais. Que não há exceção. Que as pessoas precisam ter moral porque moral é o bem. Mas existe uma pessoa que está acima da moral. Essa regra só é valida para humanos, Deus está acima da moral. Ele não precisa obedecer à regra. De novo eles propõem uma regra e aparecem com uma exceção.

O fato é que isso leva as pessoas a fazerem coisas que nunca fariam normalmente. Uma pessoa normal, em geral, não ia sair por ai matando e estuprando sem sentir pena do próximo porque ele consegue se colocar no lugar do outro e ver sua vulnerabilidade, já que também é vulnerável. Mas Deus está acima de tudo. Deus está acima da moral e da ética. Assim se eu lhe disser que Deus o mandou matar, estuprar, roubar, destruir, você mata, rouba e destrói porque a moral não é valida para Deus. Ou seja, tudo que Deus mandar torna-se automaticamente moral, então, o representante de Deus na terra tem essa vantagem sobre políticos. Se Deus mandou, é moral.

Dizem que Deus é o bem. É o amor. No entanto o mundo está cheio de coisas más. Dizem que Deus pode acabar com o mal num piscar de olhos. Mas ele não acaba com o mal. Por quê? Ninguém explica.

Dizem que Deus um dia acabará com o mal. Esse dia nunca chega. Mas continuam acreditando. Ou então dizem que esse plano tem o mal, mas outros não. Porque Deus ia fazer um plano com mal e outro não? Qual o motivo? Ninguém explica. E quando explicam dizem que Deus está acima do bem e do mal. Que apesar dele fazer coisas imperfeitas, ele continua sendo perfeito. Como a perfeição pode gerar a imperfeição?

Dizem que Deus é onisciente, mas que temos livre arbítrio. Como temos livre arbítrio se Deus já sabe tudo que faremos antes mesmo de nascermos? Se ele já sabe tudo que vai acontecer, então tudo já está escrito, se tudo já está escrito, tudo está determinado, se tudo está determinado, o pecado não existe porque ninguém agiu por livre e espontânea vontade.

Se o pecado não existe, tudo está acontecendo exatamente como Deus queria desde o principio.

Ou seja, Deus escreveu que o World Trade Center seria atacado por terroristas. Deus escreveu ou determinou que crianças seriam estupradas. Deus escreveu todas as guerras. Deus determinou todo o mal que acontece com você. Deus determinou porque ele fez tudo e por isso sabe tudo que vai acontecer. Todos são simplesmente atores representando um papel. Essa doutrina leva a imoralidade porque a pessoa não é responsável por nada. Não podemos nem culpar ninguém por nada porque tudo que acontece é vontade de Deus. Uma folha não cairá sem a permissão de Deus. Se alguém pode surpreender Deus, fazer algo que Deus não espera, então Deus não saberia, mas como Deus sabe, então tudo está determinado e, portanto a pessoa não tem livre arbítrio.

E o que é pior, nem Deus tem livre arbítrio, pois ele já sabe tudo o que ele vai fazer no futuro. Ele está determinado a fazer tudo exatamente como ele fez já que ele sabe seu próprio futuro. Saber não é uma possibilidade. Saber implica em ter certeza absoluta que as coisas vão acontecer exatamente como vão acontecer. Sem desvios. Se Deus sabe seu futuro, ele é escravo da determinação também. E se é escravo do script, então não é todo poderoso porque ele não pode fugir dele. Tudo vai acontecer exatamente como ele sabe, portanto ele não tem o poder de mudar nada, senão ele não saberia. Portanto a onisciência de Deus é descartada, pois gera muitos paradoxos.

Se o homem não tem livre arbítrio, nem Deus tem. E se Deus é onisciente, ele não seria todo-poderoso, pois não conseguiria fugir do script, teria que fazer o que sabe que fará. Sendo assim, esqueça as profecias de Deus, elas não precisam se concretizar porque Deus não é onisciente. Essas profecias são no máximo o que Deus quer que aconteça e não o que acontecerá, pois Deus não pode saber o resultado.

Dizem que o homem não pode fazer o impossível, mas Deus é a exceção, ele pode fazer o impossível. Pode Deus fazer uma pedra que ele não pode levantar? Pode, porque ele é Deus, ele pode fazer tudo, só que se ele não puder levantar a pedra, ele não é todo poderoso. Dizem que Deus não faz essa pedra porque não quer fazer. Mas a história é a mesma. Se ele cismar de fazer a tal pedra, de veneta, como tudo que Deus faz, então ele não poderia levantá-la já que ele a fez com o propósito de não levantá-la. E ai ele perderia a capacidade de ser todo poderoso. Se Deus não pode perder esse atributo, então é impossível para Deus fazer algo impossível a sua natureza.

Deus não pode fazer tudo porque ele poderia fazer coisas que o destruiriam, por exemplo. Poderia se matar. Poderia se machucar. Deus pode se destruir porque ele pode tudo. Alguns índios acham que Deus sumiu porque ele fez algo que o destruiu. Acham isso ridículo? Mas não é porque ele pode fazer tudo. Deus pode fazer outro Deus maior e mais poderoso que ele? Pode, porque ele pode fazer tudo, mas se ele fizer algo maior que ele, ele deixa de ser Deus e esse outro Deus pode destruí-lo porque também pode tudo.

Dizem que Deus é tudo. Deus é cocô? Deus é urina? Deus é o avião que derrubou o World Trade Center? Deus é o ódio? Deus é a avareza? Deus é o assassino e a vitima? Deus é a faca que mata, e a maca que leva ao pronto-socorro? Deus é um dente cariado?

Dizem que Deus é onipresente. O que isso significa? Que ele está em toda parte. Se é assim, Deus mora no inferno. Deus mora no Afeganistão. Deus mora no Brasil. Deus está em todos os recônditos do espaço. Deus está em todo mundo. Deus seria o universo. Seria tudo de bom e ruim.

Dizem que Deus vê tudo. Você faz amor em frente dos seus pais? Você vai ao banheiro na frente de todo mundo? Mas você faz todas as suas intimidades na frente de Deus? Tudo mesmo? Todo tipo de ato sexual? Sabendo que Deus está olhando cada movimento? O Espírito Santo dá palpites no seu ato sexual? E quando você vai ao banheiro?

Teístas sempre respondem que Deus é tudo aquilo que foge a regra. Dizem que Deus é o inexplicável. Nós, os céticos, temos um nome para coisas que acontecem sem eira nem beira, sem razão, sem lógica, sem explicação. O nome disso é Acaso. O Deus dos teístas é o Acaso!

Nós, céticos sabemos que o Acaso existe, só que não o adoramos. Não pedimos coisas de joelhos ao Acaso porque sabemos que o Acaso é arbitrário, faz o que lhe dá na telha sem razão alguma. Esse é o nome de seu Deus: Acaso.

random_dice

Autor: jmsilv@gmx.com

Anúncios

Written by jmsilv

27 de fevereiro de 2009 at 5:29

Gênesis 3

leave a comment »

snake_render_02

De 1 a 5: A serpente, o bicho selvagem mais malandro de todos os animais do campo que Deus tinha feito disse. — Ei, Vida (Eva), o Senhor falou que vocês não podiam comer de nenhuma árvore do jardim?

—Claro que não, — respondeu Vida — Ele falou que não podemos comer só daquela que está no meio do jardim. Nem podemos tocar, se a gente comer ou tocar, morre na hora.

— Papo furado, — disse a serpente. —Claro que vocês não vão morrer. O Senhor sabe muito bem que no dia que vocês comerem dessa árvore, vão deixar de ser inocentes e serão iguais ao Senhor, ou seja, saberão a diferença entre o bem e o mal. Por que você acha que a árvore se chama “Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal”. Acha que é à-toa? Se fosse para matar, o nome dela seria “Árvore da Morte”, igual a outra é chamada de “Árvore da Vida.” Abre os olhos, Vida!

6 e 7: Vida correu e foi contar a novidade a Barrinho Vermelho (Adão).

—Ei, Barrinho, tenho uma novidade. Você quer deixar de ser besta?

— Ei, por você está me chamando de besta? Você também é!

— Concordo. A gente não sabe nada. Vivemos na infância eterna. Sempre vamos precisar do Papai do lado para falar tudo que é certo e errado. Você não está cansando disso? Não quer decidir por si mesmo o que é certo ou errado?

— Sei lá, sou meio preguiçoso para pensar, talvez seja mais conveniente deixar o Senhor decidir tudo.

— Bem, a decisão é sua. A gente não sabe de nada, não sabe a diferença entre o bem e o mal, então, se eu comer da árvore para adquirir conhecimento, eu não poderei ser punida já que sou inocente. Eu não posso ser punida por algo que não sei: A diferença entre o bem e o mal.

— Faz sentido — disse Adão — A gente não sabe de nada, então como vamos saber que desobedecer é errado?

— É isso aí. A gente obedece ou desobedece, mas sem saber o que é certo ou errado, então, vamos desobedecer, que diferença faz? A gente é ignorante que nem anta mesmo, igual a qualquer outro animal. É por isso que a gente fala com animais, a gente é igual a eles. Eles não sabem a diferença entre o bem e o mal e muito menos a gente. Somos duas antas infantis.

— Faz sentido mesmo, então vamos lá, pega o fruto aí e vamos comer.

Depois que comeram, notaram pela primeira vez o corpo um do outro, e Barrinho olhou para baixo, para sua saliência e disse para Vida.

— Epa, Vida, eu olho para você e meu troço cresce, acho melhor você sair da frente porque eu não sei até que tamanho esse troço vai chegar. Se ele resolver crescer rápido demais, pode furar você.

— Caramba, Barrinho, é verdade, esse troço está se agigantando, mas olha aqui, eu já tenho um buraco feito. Então, se ele crescer rápido na minha direção, eu deixo o buraco na frente, aí, pelo menos ele não vai me furar.

— Peraí, acho melhor a gente fazer algo para tapar meu bicho e seu buraco, senão essa minhoca vai entrar aí mesmo. E eu não sei se ele não vai varar do outro lado.

Ao falarem isso, os dois foram até as árvores e fizeram uma espécie de saia e sunguinha, aí, o bicho de Barrinho continuou a querer se libertar e entrar na toca, mas pelo menos o mato o prendeu um pouco, mas bastava ele olhar as protuberâncias pontudas no peito de Vida…

—Vida, é melhor você cobrir esse peito ai, senão vai furar o olho de alguém.

Aí, os dois ficaram cobertinhos, um com medo de um furar o olho do outro e o outro com medo de varar o outro.

De 8 a 19: Lá estava o Senhor, fazendo sua caminhada diária quando se tocou que algo estava errado. Não havia nada na sua frente para ele tropeçar. Não era esse tipo de erro. Como Ele era onisciente, Ele já sabia o que ia acontecer e já sabia o que tinha acontecido, Ele estava esperando isso desde que havia feito Vida, Barrinho e a serpente. Chegara o momento da segunda fase do jogo.

Barrinho e Vida ouviram os passos do Senhor e se esconderam no meio do mato. Não adiantou. O onisciente gritou — Cadê vocês?

— Eu ouvi o Senhor andando na floresta e fiquei com medo porque estou peladinho da Silva. E meu negócio fica crescendo toda hora quando eu olho para Vida.

—Quem falou para você que estava pelado? Você comeu dá árvore que eu falei para você não comer?

Até parece que o Senhor não sabia. Mas tinha que ter o drama, né? Tinha que fazer o fuzuê senão não passavam para a segunda fase. E o Senhor já estava com o saco cheio de ver os dois inocentes brincando o tempo todo. Tudo cansa, né? Haja saco.

Barrinho, como o covarde que sempre seria, já foi logo dedurando Vida.

— Perai, Senhor, eu comi, sim, mas foi Vida que meu deu para comer.

Ai, Vida não agüentou e disse — Seu dedo-duro. Por que você não assume que comeu porque quis, igual a mim? Assuma a responsabilidade pelos seus atos, bunda mole! Eu não forcei você a comer, você concordou que a gente não sabia o que era obedecer ou desobedecer, então comeu igual a mim! E a gente não sabia mesmo, só está sabendo agora.

— O que você fez? — Perguntou Deus a mulher.

— Bem, Senhor, já que Barrinho me dedurou, eu vou abrir o bico também. Mas o Senhor é onisciente, então, já sabe tudo mesmo. Mesmo que a gente não falasse nada, o Senhor ia saber mesmo. Então, lá vai, foi a serpente que me passou a perna, por isso eu comi. Ela me enganou porque na certa já tinha comigo da árvore. E ela passou a perna em mim mesmo, porque eu era inocente e burra como uma anta, mas agora eu estou por dentro do lance, então eu sei que ela queria que eu deixasse de ser criança. Vá saber por que, de qualquer forma, eu comi, sim, e dei para Barrinho porque ele pediu.

O Senhor pensou, “Puxa, Vida até que é esperta mesmo.”, mas o jogo tem que continuar.

— Serpente, por sua causa, amaldiçôo todos os animais, mas você vai ter uma maldição maior. Você vai viver se rastejando todos os seus dias, então, lá se vão suas pernas e braços. De agora em diante, você será mais baixa que bunda de sapo e vai comer pó todos os dias da sua vida. Não literalmente, claro, porque cobra não come pó, mas como vai andar com a cara perto do chão, vai comer pó mesmo.

De Vida vai surgir todos os homens e mulheres, e eles vão te odiar e te cobrir de chutes quando te ver, e você vai querer morder a canela de todo o mundo. Vai ser um tal de chute no coco, mordida na canela, e aí vamos ver quem dura mais. E seus filhos serpentes não herdarão a inteligência da árvore, então estarão na desvantagem.

Quanto a você, Vida, acabou a mamata, de agora em diante, quando você parir, vai sentir dor. Vou aumentar pacas sua dor. Você vai se contorcer toda na hora de parir.

E não fica por ai não. Você pode querer não parir já que sabe que o parto vai fazer você sentir dor, mas você será controlada pelo desejo. Você sentira um grande desejo por Barrinho e isso vai fazer com quem ele tenha domínio sobre você. Ele lhe controlará pelo seu desejo e você acabará abrindo o que interessa.

Prepare-se, pois logo, saberá.

E você, Barrinho Vermelho, acabou a vida mansa. Você era meu jardineiro, mas vivia na boa, quase não tinha nada para fazer num paraíso tropical como esse. Mas agora, já era. Esse chão todo dessa região que você habita está amaldiçoado, tudo será deserto ou similar, você terá que batalhar muito para conseguir tirar o sustento da terra. Pode se preparar para morrer de trabalhar para não morrer de fome, porque eu não vou lhe dar nada. Trabalhe, vagabundo, já era a moleza!

Eu ainda por cima vou encher plantas de espinhos, aí, se você se distrair fura as mãos. E vai ser assim de agora em diante, você vai ter que trabalhar igual condenado, perai, é condenado mesmo, bem, você vai trabalhar como um condenado que é até morrer e voltar a ser o que era. Ou seja, você é barro vivo, pois eu fiz você de barro e lhe dei vida, e vai voltar a ser barro morto.

Pronto, a segunda fase começaria agora. Barrinho e Vida não eram mais crianças, a idade adulta começava. Iam ter que constituir família e trabalhar para viver.

20: Agora, Barrinho Vermelho viu que o Senhor o inspirou a chamar sua companheira de Vida, porque afinal, agora ela daria vida a todos os que passariam a existir no futuro. Então, ela era de fato vida. Se ela não tivesse desobedecido, talvez só ficassem duas pessoas eternamente no paraíso, mas como ela desobedeceu; agora a terra seria povoada de um canto a outro. A desobediência rendera juros e correção monetária para a raça humana.

Aí, já que a vida tinha ficado dura, Deus pegou dois animais, matou, e arrancou o couro deles e fez roupas para Barrinho e Vida. Ele podia tê-los deixado com suas folhinhas, mas agora tudo os machucaria mais facilmente devido a maldição, maldição essa que foi preciso para o surgimento da humanidade. Esse havia sido o primeiro parto de Vida e a primeira dureza de Barrinho. Para se tornarem adultos e darem inicio a família humana, foi necessário deixarem a casa do Pai. Não é isso que todo mundo tem que fazer cedo ou tarde? E os filhos deixam a casa do pai quando acham que podem decidir por si mesmos o que é certo ou errado em suas vidas. Se um filho não come da árvore do conhecimento do bem e do mal, ficará na eterna infância dependendo do Pai. Sigam em frente, Barrinho e Vida. Sua vida adulta começa aqui.

20-24 O Senhor largou Vida e Barrinho no jardim e foi correndo falar com sua corte. Eles sabiam a diferença entre o bem e o mal, como o Senhor, e também tinham vida eterna, como o Senhor. O Senhor não queria que Vida e Barrinho tivessem vida eterna, pelo menos, não agora. Ele disse aos outros:

— Olhem, Barrinho e Vida são como nós agora. Eles sabem a diferença entre o bem e o mal. Mas não queremos que vivam eternamente como nós, então, vocês querubins, guardem a árvore da vida, não deixe que eles se aproximem dela de forma alguma. Levem a espada flamejante e deixem-na voando em volta da árvore para guardá-la.

E assim foi feito, e a árvore foi guardada até que Barrinho e Vida não mais pudessem ver o Éden.

Written by jmsilv

27 de fevereiro de 2009 at 2:15