Bíblia Insólita

Minha Visão Teológica, Filosófica e Científica

Sacrificio Humano na Bíblia.

with 3 comments

sacrificeSe os bibliólatras adoram um Deus superior aos deuses bárbaros de outrora, então por que o altar desse deus vivia cheio de sangue. Para se ter uma idéia de como deveria ser seus templos, imagine o cheiro de um açougue e um altar escoando sangue para todo lado com um monte de selvagens ao redor matando inocentes em nome de sua divindade.

Na Idade Média, os judeus eram acusados de matarem bebes justamente por causa das passagens bíblicas que segue. Elas deixam claro que o primogênito era sacrificado para deus. Abraão ia matar seu primogênito COMO MANDAVA A LEI, e deus resolveu poupá-lo por que tinha seus planos. Mas a norma ERA O SACRIFICIO. Quem ler esses textos não terá alternativa senão concordar com o que falo. A menos que queira interpretar “distorcer” todos os contextos. Depois inventaram um jeito de arranjar um animal para expiação, como mostra em um dos mandamentos, mas isso foi depois.

O deus do Novo Testamento não é menos sangrento. Ele exigiu o sacrifício de seu próprio filho e provocou a morte de muitos que pregaram sua mensagem e depois que cristãos assumiram o poder na Europa, forneceram sangue suficiente para esse deus a ponto de bancos de sangue não precisarem que ninguém doasse por séculos se ele pudesse ser utilizado.

E hoje também não é diferente. Esse deus é o mesmo de judeus, islâmicos e cristãos. Ele deve ter dado um livro sagrado para cada povo justamente porque sabia que ia lhe render um belo banho de sangue em incontáveis jihads.

draculaDrácula nunca teve tanta sede.

E não esqueçam! Ele promete encher baldes de sangue no apocalipse, e depois que jogar pelo menos 80% no inferno, terá mais sangue ainda porque lá o verme sangra mas não morre. Ele deve estar lambendo os beiços de antecipação. Como bibliólatras não percebem o monstro que adoram, sinceramente não sei. Deve ser o medo. Se for o medo, eles não o adoram de fato, só estão se prostrando diante de um monstro hediondo por medo de serem torturados. Se eu tivesse que ser teísta, adoraria qualquer Deus, menos esse. Não deve haver um pior. Pelo menos nos meus estudos religiosos não encontrei nenhum ser mais abominável que o deus da bíblia.

Se o povo de hoje soubesse que o cristianismo foi primeiro propagando na pior camada social da população antes de chegar ao poder talvez pensassem um pouco. O cristianismo no começo era religião de todo tipo de criminoso e de miseráveis que não viam mais esperança na vida. Ele foi rejeitado por sábios e educados da época justamente pelo seu absurdo. Mas como sempre há mais miseráveis num país que cultos e ricos, ele se alastrou pelo império romano como praga e as autoridades não tiveram alternativa a não ser lhe entregar o governo nas mãos. Não que eu seja elitista, mas é muito mais fácil convencer os ignorantes.

Os sábios e educados de hoje só o apóiam por tradição, ou por compartimentalização mental, como dizem os psiquiatras.  Não param para pensar nas idéias horrendas propostas e quando param fecham a mente para o ruim e procuram ver somente o bom e continuam a pregar essa religião hedionda que fere a dignidade humana. Sábios, sejam sábios nos seus julgamentos religiosos também, não apenas em outras questões, coloquem sua mente para funcionar e realmente examinem a bíblia com a mesma imparcialidade que examinam qualquer livro. Não se deixem levar pela população inculta que só repete o que ouviu sem analisar. Pensem! Porque estão espalhando o mal?

 

LEVÍTICO [27]28 Todavia, nenhuma coisa consagrada ao Senhor por alguém, daquilo que possui, seja homem, ou animal, ou campo da sua possessão, será vendida nem será remida; toda coisa consagrada será santíssima ao Senhor.29 Nenhuma pessoa que dentre os homens for devotada será resgatada; certamente será morta. Êxodo 13:1e2 Então falou o Senhor a Moisés, dizendo:2 Santifica-me todo primogênito, todo o que abrir a madre de sua mãe entre os filhos de Israel, assim de homens como de animais; porque meu é.

Êxodo 22:29 Não tardarás em trazer ofertas da tua ceifa e dos teus lagares. O primogênito de teus filhos me darás.

NÚMEROS [31]31 a 41 Fizeram, pois, Moisés e Eleazar, o sacerdote, como o Senhor ordenara a Moisés.32 Ora, a presa, o restante do despojo que os homens de guerra tomaram, foi de seiscentas e setenta e cinco mil ovelhas,33 setenta e dois mil bois,34 e sessenta e um mil jumentos;35 e trinta e duas mil pessoas, ao todo, do sexo feminino, que ainda se conservavam virgens.36 Assim a metade, que era a porção dos que saíram à guerra, foi em número de trezentas e trinta e sete mil e quinhentas ovelhas;37 e das ovelhas foi o tributo para o Senhor seiscentas e setenta e cinco.38 E foram os bois trinta e seis mil, dos quais foi o tributo para o Senhor setenta e dois.39 E foram os jumentos trinta mil e quinhentos, dos quais foi o tributo para o Senhor sessenta e um.40 E houve de pessoas dezesseis mil, das quais foi o tributo para o Senhor trinta e duas pessoas.41 Moisés, pois, deu a Eleazar, o sacerdote, o tributo, que era a oferta alçada do Senhor, como o Senhor ordenara a Moisés.

Juizes 11:30 a 40 E Jefté fez um voto ao Senhor, dizendo: Se tu me entregares na mão os amonitas,31 qualquer que, saindo da porta de minha casa, me vier ao encontro, quando eu, vitorioso, voltar dos amonitas, esse será do Senhor; eu o oferecerei em holocausto.32 Assim Jefté foi ao encontro dos amonitas, a combater contra eles; e o Senhor lhos entregou na mão.33 E Jefté os feriu com grande mortandade, desde Aroer até chegar a Minite, vinte cidades, e até Abel-Queramim. Assim foram subjugados os amonitas pelos filhos de Israel.34 Quando Jefté chegou a Mizpá, à sua casa, eis que a sua filha lhe saiu ao encontro com adufes e com danças; e era ela a filha única; além dela não tinha outro filho nem filha.35 Logo que ele a viu, rasgou as suas vestes, e disse: Ai de mim, filha minha! muito me abateste; és tu a causa da minha desgraça! pois eu fiz, um voto ao Senhor, e não posso voltar atrás.36 Ela lhe respondeu: Meu pai, se fizeste um voto ao Senhor, faze de mim conforme o teu voto, pois o Senhor te vingou dos teus inimigos, os filhos de Amom.37 Disse mais a seu pai: Concede-me somente isto: deixa-me por dois meses para que eu vá, e desça pelos montes, chorando a minha virgindade com as minhas companheiras.38 Disse ele: Vai. E deixou-a ir por dois meses; então ela se foi com as suas companheiras, e chorou a sua virgindade pelos montes.39 E sucedeu que, ao fim dos dois meses, tornou ela para seu pai, o qual cumpriu nela o voto que tinha feito; e ela não tinha conhecido varão. Daí veio o costume em Israel.

Achem mais exemplos na bíblia, tenho certeza que não será difícil.

Written by jmsilv

14 de março de 2009 at 2:20

Publicado em Uncategorized

A Teoria da Reencarnação

with 2 comments

amnesia2Eu tenho um cão e um gato. Eles aprenderam a fazer coco e pipi no local certo. Sabe por quê? Porque eu os pego no ato e os levo para o local adequado e ao mesmo tempo fico gritando “Não pode!”
Esse método funciona porque o cão ou gato percebe o que está fazendo e associa a desaprovação com o ato que esta praticando. E com o tempo eles aprendem a não fazer suas necessidades em nenhum outro local a não ser no indicado.

Se você vir o cachorro fazendo suas necessidades em um local proibido, esperar uma hora e depois berrar com ele, não funciona. Ele não vai aprender nada. Por quê? Porque ele não sabe a razão de estar sendo punido. Sendo assim, é pura perda de tempo e crueldade, puni-lo.

O mesmo acontece com uma criança. Se uma criança não sabe por que está sendo punida, já que não se lembra do que fez, a punição é cruel e injusta. Sendo assim, até com as crianças convém punir em tempo hábil.

Vamos à reencarnação. Nela, eu estaria na mesma condição do cão ou do gato. Estaria sendo punido por um crime que não sei que cometi. Se eu não me lembro de nada, a punição sempre será injusta para mim. Vou dar-lhe outro exemplo prático.  Suponhamos que você esteja aprendendo a dirigir. Eu lhe ensino tudo que você tem que fazer. Passamos uma tarde inteira treinando. No dia seguinte, você esquece tudo que eu lhe ensinei. Tenho que começar tudo de novo. E assim por diante. É óbvio que você nunca vai evoluir dessa forma. Você nunca vai aprender nada, porque a aprendizagem é um processo cumulativo. É como a adição. Todo dia você vai acrescentando um número até chegar a um total. Esse total seria o que você aprendeu.  Sem memória não há aprendizagem.

Outro detalhe, a memória é mais importante do que você imagina. A memória é a principal causa de você ser aquilo que é.  Na infância, você vai absorver aquilo que dizem a seu respeito. Dizem que você é brasileiro, chamado José, que sua mãe é fulana e assim por diante. Você é o resultado de tudo que dizem que você é, somado às experiências que você teve: ou seja, o que acham de você e o que você acha de si próprio. Você será totalmente diferente, dependendo da sociedade onde nascer. Se você tivesse nascido em outro país, hoje você seria outra pessoa. Tendências naturais fora e além de seu controle representam pelo menos 90% do que você é.

Mas a sua personalidade não poderia se desenvolver dentro de nenhum sistema cultural sem memória. Imagine se você ensina a seu filho quem ele é, sobre sua família, suas raízes, sua cultura e assim por diante e ele esquece tudo no dia seguinte? Não haveria evolução alguma. Como somos aquilo que lembramos que somos, a teoria da reencarnação cai por terra ai.
E além da memória normal de cada individuo, ainda existe a memória genética, que é aquela que programa reações imediatas ao meio ambiente. Uma criança já sabe chorar para pedir alimento, isso é uma reação programada pela memória genética. Muitas coisas que o espiritismo tenta explicar, a ciência já explica através do processo de memória genética. Não existe nada que prove que até coisas mais complexas como um talento para pintura ou algo similar não seja absorvido pela memória genética.
Os animais fazem coisas muito complexas através do instinto, que é na verdade uma memória genética. Teriam os animais almas para ir aprendendo essas ações? Hindus, jainistas e budistas dizem que sim, espíritas e cristãos dizem que não, e as opiniões se dividem em outras religiões. O fato é que a memória genética explica muito daquilo que espíritas, por exemplo, chamam de memória “intuitiva”, que eu chamo de memória “instintiva”.
Dizem espíritas, por exemplo, que o véu da ignorância é para a pessoa não se “ofuscar” ou algo assim com o novo ambiente. Se for assim, é melhor a pessoa perder a memória toda vez que viajar para o exterior.
Muitos espíritas dizem que se eu me esquecer do passado serei mais senhor de mim mesmo. Afirmação errada. Quem não se lembra do passado está fadado a repeti-lo. Essa é uma afirmação de um historiador que vem bem a calhar aqui. Hoje eu sou cuidadoso com o dinheiro, sabe por quê? Porque fiz umas burradas no passado e a lembrança me faz pensar antes de agir.
O arrependimento só é possível com a memória. Se eu não lembro que fiz algo ruim, então como vou me arrepender? Se você aceitar essa teoria, tudo de ruim que lhe acontece, você pensa que é punição por faltas passadas e ai se conforma com sua condição de ser pecador miserável, atribuindo quase tudo que lhe acontece a “Adãos encarnacionais”.  Consola-se pensando que é um criminoso, e que tudo que lhe acontece é merecido. Não se revolta com o estado de ser das coisas.

Se reencarnacionistas creem que é bom perder a memória para poder evoluir moralmente aqui na terra, então, deviam propor ao congresso a descoberta de um meio de, como nos desenhos animados, dar uma bordoada nos criminosos e fazê-los perder a memória e jogá-los de volta na sociedade e assim teriam outra chance de pagar pelos seus crimes sem saber por que estão sofrendo. A gente não faz isso, certo? Se tivéssemos meios de fazer isso, faríamos? Seria justo a pessoa sofrer sem saber por quê? Isso é justiça de fato? Pois é assim que age o Sr. Carma.
O carma é um conceito difícil de engolir, ele é como se fosse o próprio Deus. Ele registra tudo que você faz, momento a momento, e depois manipula as circunstâncias para você sofrer pelo que fez ou conseguir bençãos.
cadeiaEsse tipo de sistema praticamente neutraliza o livre arbítrio. Ou seja, para o carma fazer você pagar ou ser recompensando, ele teria que manipular pessoas e circunstâncias para esse fim. Sendo assim, as pessoas não seriam livres. Ou pelo menos a grande maioria de suas ações não seria voluntária, pois elas teriam que cumprir a vontade do carma. E assim o carma estaria usando uma pessoa para punir outra. Digamos que usa alguém para lhe dar uma surra porque você deu uma surra em outra pessoa em outra vida.

Essa pessoa que está lhe dando uma surra hoje como punição, vai ser punida também? Se você está sendo torturado, você está pagando pelo que fez antes, sendo assim o torturador está apenas cumprindo a vontade de Deus fazendo-a pagar pelo que fez, ou estaria ele iniciando a ação e gerando carma? Se for este o caso, então você não pode explicar todos os seus sofrimentos baseando-se em vidas passadas. Muito do seu sofrimento seria sem causa mesmo. Está vendo? O tipo de controle que o carma teria que ter sobre todas as pessoas seria algo incompreensível. É muito mais fácil imaginar que as pessoas fazem o que querem e sofrem ou não consequências de seus atos dependendo das circunstâncias e não de uma força invisível controlando as mesmas. É mais simples, prático e lógico.
O livre arbítrio exige o acaso. Somente num sistema imprevisível como é o nosso a liberdade poderia existir. Liberdade de decidir o que é certo e errado. Se existir uma força controlando tudo, ninguém é livre e punições e recompensas se tornam injustas.

caste-systemÉ por isso que sociedades baseadas nessa teoria não passam por grande mobilidade social. Quem nasce pobre se conforma com a pobreza pensando que na próxima vida vai nascer melhor já que foi bom nessa. E o que é ser bom? Aguentar tudo calado e aceitar sua condição social é bondade? A Índia é o exemplo de país que aceita essa teoria há mais tempo, e olha o que gerou, um sistema de castas onde no topo estão sacerdotes, depois guerreiros e politicos, depois empresários e comerciantes e no final o povão, sem contar os intocáveis.  E com isso conseguiram manter o povo no conformismo, cada uma na sua classe há milênios. Se alguém nasceu intocável é porque tinha que vivenciar isso, tantos os intocáveis aceitam isso e nunca tentam mudar, quanto o resto do povo.

Só na idade moderna é que o sistema está sendo questinando por influência externa. A história mostrou que aceitar seu lugar não é boa idéia. Os EUA e a Europa só evoluíram e arrastaram o resto do mundo quando pessoas em condições sociais inferiores se revoltaram. Se acreditassem na reencarnação nunca fariam isso, exemplo, Ìndia, nunca fizeram. Iam aguentar as coisas caladas esperando a próxima vida. Essa crença leva ao conformismo. Como todos são criminosos, aceitam todo sofrimento numa boa sem reclamar. Se o ser humano aceitasse o sofrimento, o mundo não teria evoluído. Qualquer teoria que leve a aceitação do sofrimento é nociva à sociedade. O sofrimento tem que ser reduzido ou eliminado o máximo possível. Qualquer tipo de sofrimento imerecido é injusto. Lê-se imerecido como não pagando por algo que fez nessa vida mesmo. Quando isolamos alguém na cadeia é para REDUZIR o sofrimento da sociedade como um todo, e não para AUMENTÁ-LO. É melhor um sofrendo, que vários.

Quando o ser humano primitivo queria algo, simplesmente ia e tomava. Depois passou a viver em sociedade, e aí a natureza selecionou um sistema para garantir a sobrevivência. Quando digo que ela selecionou, não estou dizendo que ela fez isso de propósito. O que aconteceu foi o seguinte: milhares de animais morreram porque não tinham um sistema que funcionasse. Quando um sistema que funcionou surgiu, ele permaneceu.

Esse sistema desenvolvido pelos animais sociais é o sistema hierárquico. Ou seja, todo grupo de animais tem um chefe. Isso funciona, porque sem um chefe, os animais lutam o tempo todo entre si. O chefe apareceu para manter a paz e garantir a partilha dos recursos. Antes da existência do líder, a vida social era uma luta constante.

O que tem isso a ver com a reencarnação?

O sistema hierárquico entre os animais sociais funciona. Se você examiná-lo comparando com vários grupos de animais sociais verá que ele é um fator positivo e explica muitos fatos.

A reencarnação não explica as coisas a contento.

ugly-beautifulA vida social é injusta porque as pessoas nascem diferentes. Uns nascem inteligentes, fortes e bonitos. Enquanto outros nascem feios, burros e fracos. Ou então uns nascem com algumas dessas qualidades e sem as outras. O fato é que sempre existe um membro da sociedade superior ao outro de algum modo. Essa superioridade é individual e não racial. Tanto que existem burros e inteligentes em todas as raças. Assim como existem feios e bonitos em todas e assim por diante. E o pior, pelo menos o cristianismo e outras religiões não pregam que as pessoas escolheram nascer feias, burras e fracas, elas aceitam simplesmente que algumas foram mais amaldiçoadas que outras pelo pecado de Adão ou outra coisa qualquer. Já os reencarnacionistas pregam que a pessoa escolheu nascer feia, burra, fraca, pobre, ferrada, etc. porque aceitou a teoria do olho por olho, dente por dente da lei do carma. Para aceitar esse tipo de “justiça”, só com muita lavagem cerebral.
burro_m_dioE eu pergunto: como vamos acabar com o sofrimento no mundo com gente que pensa que sofrer PURIFICA? Pagar pelos seus erros na vida atual, tudo bem, menos mal você aceitar que foi amaldiçoado pelo pecado original ou coisa do gênero, agora, dizer que você aceita um sistema que lhe obriga a ir para o inferno de livre e espontânea vontade e ainda escolher sua forma de castigo: nascer deficiente, retardado, burro, numa família ruim, em infernos na terra, etc., é pior que o inferno de religiões como o cristianismo ou islamismo, por exemplo. O que alguém aprende escolhendo nascer burro? A ser um mestre da burrice com PhD em asneira?
Pelo menos no cristianismo ou islamismo, você vai arrastado para o inferno, nas reencarnacionistas, seu cérebro é lavado a tal ponto que você caminha até o inferno e vira um CRISTO pagando pelos pecados de todos que você supostamente já foi no passando, que são tão anônimos quanto todos os seres humanos antes da gente ter nascido. Seria isso um complexo de cristo?
madonnaVocê acha que se a Madonna tivesse nascido na Etiópia, ela teria se tornado o sucesso que é? Você é resultado de muitos fatores. Agora dizer que a Madonna nasceu assim porque ela foi melhor que alguém que nasceu na Etiópia na outra reencarnação é puro elitismo. Você está dizendo que a Madonna é melhor que uma criança da Etiópia não só por causa das circunstâncias em que nasceu como também moralmente. Você está dizendo que ela é rica, bonita, canta bem porque é moralmente superior a quem nasceu na Etiópia, ou numa favela do Brasil. Você está dizendo que uma pessoa saudável, rica e bela é moralmente superior a uma pessoa deficiente, feia ou pobre, ou todos essas deficiências juntas. Uma criança que vive na maior penúria uns 6 anos e morre, no mínimo foi Hitler, não é?
Por isso a ideia da reencarnação é o pensamento mais elitista e arrogante que conheço para explicar fatos naturais. Sendo assim, quem crê na reencarnação não é melhor do que quem crê em céu e inferno. O resultado é o mesmo. Os países evoluídos são os céus e os países pobres são os infernos. Qual a diferença? 

A teoria da reencarnação surgiu para explicar a injustiça do nascimento. Uma pessoa há muito tempo atrás perguntou: porque alguns indivíduos nascem superiores e outros inferiores em todas as raças? Isso é uma injustiça! Por essa razão, ele desenvolveu a teoria da reencarnação para explicar a  injustiça do mundo. Só que ela não funciona por causa dos fatores citados acima e outros abaixo. Ao invés de trazer justiça ao sistema, ela trás mais injustiças ainda.

Por que um ser humano sente pena do outro?
Por causa de uma coisa chamada empatia.

Muitos dos seus sentimentos resultam do fato de você se por no lugar do próximo e sentir o que ele sente. A empatia depende muito da sensibilidade de cada um. Tem pessoas que nunca conseguem se pôr no lugar do próximo e por isso se mostram muito insensíveis. A reencarnação procura mostrar que os insensíveis ainda terão que nascer muito para desenvolver a sensibilidade, mas o fato é que é a sociedade de cada um que determina esse grau de sensibilidade mais do que  o indivíduo. Quanto mais avançada uma civilização, maior à capacidade de se por no lugar do outro. Via de regra, quanto mais avançada é a cultura de um indivíduo mais sensível ele é. Europeus se preocupam com os direitos dos animais porque suas necessidades básicas foram preenchidas. Crianças em favelas ou infernos na terra sofrem tanto que não conseguem pensar em ninguém a não ser elas mesmas.

canibalÉ óbvio que se seu filho fosse raptado e levado para uma sociedade de canibais e passasse sua vida lá, ele teria 99,999% de ser um canibal, e olha que estou falando de alguém numa sociedade moderna sendo levado para uma primitiva, como muitos aborígenes já fizeram. Também não estou sendo elitista aqui, eu sei que muitos índios, aborígenes, primitivos em geral são mais civilizados no comportamento que muitos da cidade grande, justamente por viverem numa sociedade bucólica e pacífica. Se a reencarnação tivesse o propósito de enobrecer o ser humano, ninguém nasceria em condições que promovessem a insensibilidade e a violência, ou pelo menos sociedades com muita pobreza, escassez de recursos, etc.

De novo a reencarnação se mostra elitista. Ela está dizendo de fato que quem é sensível é mais evoluído moralmente do que quem não é. Esquecendo de todos os fatores sociais e naturais que levam uma pessoa a ser assim.

Sua personalidade é determinada pelo seu corpo, sua família, sua sociedade. Tantos fatores que o próprio Buda, que apoiava a teoria da reencarnação porque nasceu na Índia, questionou a mesma e, no final, disse que não temos um ego de fato. Que o que somos é uma relação de vários fatores e que se você analisar tudo no final chegará à conclusão que a alma não passa de fantasia, e por isso, ele chamou o processo de renascimento e não de reencarnação.
populacaoOutro detalhe. A população aumentou bastante nos últimos 500 anos.
De onde estão saindo todos esses espíritos?
Muita gente faz terapia de vidas passadas, mas matematicamente, a grande maioria está aqui pela primeira vez, no entanto, os “terapeutas” de vidas passadas nunca falam para ninguém que essa é sua primeira vez, pelo menos, estou para ver um que tenha feito isso. Para qualquer um que procurar fazer essa terapia será dito que já passou por aqui antes. As estatísticas mostram o contrário. E como é que vamos distinguir quem tem alma nova de quem tem velha? Espera aí, vá ver nascem nos pontos mais atrasados da terra e vão evoluindo de país em país, mas, seria melhor ninguém nascer nesses pontos, e aí, eliminaríamos muito da miséria do mundo, mas, os “espíritos” insistem em nascer neles, então, deixa esse povo sofrer, certo? Não foram eles que quiseram assim?
Garanto que o local de nascimento, a genética, os pais, entre outras coisas, influenciam muito mais o que a pessoa é do que uma suposta vida passada.
monkeyPor exemplo, macacos muito pacíficos que vivem na fartura, quando são levados para um ambiente com pouco alimento, se tornam agressivos e selvagens. Isso já mostra o quanto um ambiente saudável e farto é importante. Agora se todos os ambientes se tornassem melhores, a reencarnação não teria como punir as pessoas por crimes passados, sendo assim, convém à reencarnação que existam ambientes ruins. E o pior é que seria fácil para a reencarnação melhorar a situação, bastava não depositar espíritos em lugares horríveis. Imagine se, subitamente, nos países miseráveis, nos bairros violentos, nos lugares ruins em geral, de repente, a taxa de natalidade caísse vertiginosamente. Aí, você podia crer que a reencarnação queria o bem da humanidade.

 

A reencarnação também é uma teoria oposta a Deus. Qual a necessidade para Deus num sistema de causa e efeito como a reencarnação? Toda ação gera uma reação e todo o processo é automático. Para que serviria Deus? Por isso o budismo é na sua maioria um sistema essencialmente ateu. Alguns outros sistemas querem combinar a reencarnação e a ideia de Deus, mas não conseguem. Ou pelo menos, se nesse sistema existir um Deus, ele não tem muito o que fazer, é igual o Deus deísta que ligou a máquina e saiu de férias.
birth-rateMas se houver um Deus por trás desta tal de reencarnação, ele é tão cruel quanto o deus cristão que condena a humanidade à tortura eterna. Ele poderia resolver o problema do sofrimento tranquilamente simplesmente proibindo que espíritos nascessem em corpos deformados e debiloides, em lugares miseráveis, em bairros infernais, em países totalitários, cruéis, etc. Enquanto pessoas nascerem nesses lugares, o mundo não melhora. Controlando a taxa de natalidade, o mundo poderia se tornar melhor. Mas a gente sabe que as pessoas nascem nestes infernos terrestres por vários motivos que não a teoria da reencarnação, então, sentimos vontade de ajudá-los, mas se são criminosos, ajudá-los para quê? Deixem que cumpram suas penas porque não foram eles que escolheram esse destino? Então, que sofram.
42-16073552Agora como ousam espíritas dizer que um deficiente nasceu para dar uma lição aos normais? Eu acredito em tratar deficientes com todo carinho e ajudá-los porque eu não os culpo por terem nascido assim, eu sei que não foi escolha deles, foi um acidente do azar que os lançou nessa condição, azar esse em forma de peça pregada pela genética, acidente e também alguns motivos, muito poucos, que foram culpa da pessoa. E o pior, eles convencem o deficiente que ele está pagando por um crime qualquer, ou seja, além de um desgraçado, virou um condenado. De vitima das circunstâncias, ele passa a ser um criminoso cumprindo pena. De vitima, ele passa a ser imoral.Como ele não se lembra da outra vida, qual a diferença entre ele estar pagando pelo que outro indivíduo fez em outra reencarnação, um ser que ele não lembra de forma alguma, e o pecado original pregado pelo cristianismo? Ou seja, todos estão pagando pelo erro de Adão, de uma forma ou de outra. Para os reencarnacionistas também existe o pecado original, mas ele é chamado de outra pessoa, que existia em outra época, que dizem que era você, mas que você não lembra absolutamente nada a respeito dela. Ou seja, não existe diferença alguma entre essa pessoa e Adão.

woman-hittiingSe reencarnacionistas acham que o sofrimento purifica, então porque não seguem o exemplo do carma e batem nos seus filhos, maltratam, xingam, judiam mesmo deles para desenvolver o seu caráter?  Vemos constantemente cristãos se chicoteando para expiar pelo pecado original, ou sei lá o que, por que reencarnacionistas não se torturam diariamente para se tornar mais puros? Por que não se tornam masoquistas assumidos? 

Como eles podem pregar o amor, a mansidão e a generosidade sabendo que o carma é a lei do talião do Velho Testamento com roupagem nova? Carma é puro olho por olho, dente por dente, e no final, todos acabam cegos e banguelas. 

violent-sportSeguindo esse raciocínio do sofrimento que purifica, então, o que é a terra afinal? Campo de provas onde espíritos praticam um esporte radical chamado vida? Então, o que fazemos? Admiramos então, moleque desnutrido e miserável porque ele escolheu nascer num dos piores lugares da terra para mostrar que era macho?

 

 

angel-in-hell1E pregam que temos que passar por esse campo de sofrimento para nos prepararmos para vivermos num lugar perfeito onde não há sofrimento. A história do macaco não ajudou muito? Não aprenderam que em um ambiente hostil, a tendência é gerar seres selvagens e ruins? Então, para que preparar a pessoa para ser um anjo colocando-a para viver milhares de anos no inferno? É assim que Deus prepara seus anjos para viver no céu? Fazendo-os passar milhares de anos no inferno?
Olha o absurdo, preparar alguém na terra para ir para um plano superior é o mesmo que colocar alguém numa escola de enfermagem para exercer a função de engenheiro eletrônico no futuro, já que a vida de um espírito e o ambiente em que ele vive certamente é totalmente diferente do da terra. Água e vinho. Espírito e matéria. Ou seja, um ou outro não é necessário já que ambos podem proporcionar uma vida consciente plena, como a matéria é supostamente pior, ela existe para quê? Preparação é que não é.
ignorance2Kardec disse que o homem não sabe tudo que deve saber, porque ele não deve saber tudo. O saber é perigoso? É melhor a pessoa se manter na ignorância? Não é melhor sempre você saber das coisas? Esse pensamento é igual ao de brasileiros ricos querendo manter o povo na ignorância, e assim, de novo, temos o elemento do elitismo no espiritismo, uma das religiões mais reencarnacionistas. Pregar ignorância como virtude é uma das características mais marcantes do espiritismo. Muitas religiões pregam a ignorância, o próprio cristianismo é um deles em muitas das suas denominações, mas acho que o espiritismo ganha. Os espíritos ditos “superiores” só falam incessantemente, “Você não está preparado para saber disso.” Tratam os fieis como crianças e é o que são ao aceitarem esse tratamento. Crianças cegas guiando cegos. Geralmente quando alguém esconde um conhecimento é para ter superioridade sobre os outros. Assim você sempre fica na mão do mestre. Esperando mais pérolas. Pela minha experiência, eu diria mais, joio.

 

body-of-christminiE também, se você evolui de vida em vida nascendo em condições cada vez melhores, qual a necessidade para um salvador? No sistema reencarnacionista, um salvador é inútil.  Cristo é inútil nele, pois cada um salva a si mesmo de forma totalmente automática bastando para isso ter a paciência de ir tentando e tentando e tentando. Por essa razão, espíritas não aceitam Jesus como salvador e redentor da humanidade e sim como um mestre iluminado como Buda, e outros. Por isso, não sei por que insistem e m se chamarem de cristãos. Digam que são espíritas, que Jesus é um entre vários mestres, como Francisco Xavier, mas não digam que são cristãos, então, pois o sistema espírita não precisa de redentor.

 
No entanto, no sistema reencarnacionista as ideias de inferno e céu e medo permanecem. E são até bem mais reais, pois para ver os infernos na terra basta ligar a TV, as imagens são bem vívidas. O inferno é um país miserável de terceiro mundo e o paraíso é um país de primeiro mundo.
Você se torna bom para nascer em um país opulento e evita o mal para não nascer nos países miseráveis. É a ideia do medo que predomina do mesmo modo.
Autor: jmsilv@gmx.com

 

 

 

Written by jmsilv

28 de fevereiro de 2009 at 16:17

Quem é Deus?

leave a comment »

Quem é mais inteligente o homem ou Deus?

Lógico que dirão que Deus é mais inteligente Os teístas dizem que precisamos de um criador porque não é possível um ser inteligente ter aparecido naturalmente, como se conhecessem todos os processos da natureza, mas ai fica a pergunta. Quem fez Deus então já que Ele é mais inteligente que o homem? Se a inteligência não pode surgir naturalmente, então como a inteligência de Deus surgiu?

Outro argumento teísta é que não existem coisas naturais. Que tudo foi feito ou fabricado ou criado por alguém, no caso, Deus. Se nada pode surgir naturalmente, se tudo precisa ser feito por alguém, então eu pergunto: Quem fez Deus? Já que tudo que existe precisa ser feito por alguém, então Deus também precisa ser feito por alguém.

De novo os teístas propõem uma regra e dizem que Deus é a exceção a regra.

Dizem os teístas que a consciência é algo tão maravilhoso que não pode ter surgido naturalmente. Que alguém fez a consciência. Deus é consciente? Então quem fez a consciência de Deus? De novo, eles propõem uma regra e dizem que Deus é a exceção.

Raciocínio circular, circular, circular. Fazem uma pergunta e propõem uma exceção e não uma resposta. Chamam isso de responder algo?

Dizem os teístas que Deus é perfeito. Hora, coisas perfeitas não mudam. Se você tem um álbum de figurinhas completo, então você não precisa comprar mais. Já tem tudo que deseja. Se Deus é perfeito, ele não precisa ou deseja nada; nunca precisou ou desejou nada. Necessitar ou desejar implica que falta algo. Um ser perfeito não pode ter criado o universo porque um ser perfeito não teria motivo para isso. Ele já teria tudo que precisava, não desejaria nada porque já estaria plenamente satisfeito. Sendo assim, nada perfeito poderia criar, pois não teria necessidade ou desejo de criar. Criar para que se você já tem tudo que deseja e necessita? Mas teístas dizem que Deus não precisava e não desejava fazer o universo, mas mesmo assim ele cismou de fazer. Sem incentivo algum. Sem eira nem beira. De repente ele acordou e falou:

Vou fazer um universo. Porque vou fazer? Não sei. Desejo fazer um universo? Não, porque não me falta nada, eu tenho tudo que preciso e quero. Porque vou fazer o universo então? Porque me deu na telha.

Um ser vivo tem necessidades e desejos, mas uma coisa não tem nem desejo e nem necessidade. Deus é um ser que não tem nem desejo e nem necessidade, mas mesmo assim ele fez o universo. Sem mais nem menos. Por Acaso. Arbitrariamente.

Depois que Deus resolveu fazer o universo, mesmo sem desejo ou necessidade, ele pensou. “Como será esse universo que farei?”  Pensou como? O pensamento é como uma secreção. Ele gasta calorias porque fica constantemente concentrado no exterior tentando entender e se adaptar ao meio. Sem exterior, Deus pensava no que? Pensava sobre o quê? Sobre si próprio o tempo todo? Não tinha outro assunto?

Mas ai, ele pensou, não sei como, e planejou, não sei como ou por quê, o universo. Pensou em todas as possibilidades, planejou o universo nos mínimos detalhes, sem necessidade, e depois que calculou tudo, deu um passe de mágica e fez surgir tudo do nada.

Do nada?

O ser humano diz que nada pode vir do nada, no entanto, Deus é a exceção, ele pode tirar as coisas do nada. Deus tirou o desejo, a necessidade, os planos e o próprio universo do nada, já que ele não tinha nem necessidade ou desejo ou pensamento ou consciência para fazer o universo.

Falemos de moral. O que é a moral? Um ser que não sofre pode ser moral? A moral existe para facilitar a vida porque somos vulneráveis. Se permitirmos que roubem, seremos roubados e isso não é bom. Se permitirmos que matem, podemos ser mortos e isso não é bom. Se permitirmos a violência, seremos atacados e isso não é bom.

A causa da moral está no fato de termos que sobreviver e não sermos invulneráveis. As regras de conduta têm a ver com a sobrevivência da espécie. Regras de conduta existem até mesmo em animais irracionais. Certas coisas são proibidas porque causariam a extinção ou a dor na espécie. E isso nenhuma espécie quer.

Deus sofre? Morre? É vulnerável? Não! Então ele não tem moral.

Por isso a ideia chamada Deus provocou tantas imoralidades na humanidade. Hebreus mataram milhões em nome de Deus. Árabes também. Cristãos também. Eles matam sem dó porque não acreditam na morte. Acham-se invulneráveis. Acham que tem uma alma imortal. Se você tem uma alma imortal, então a morte nada significa. Você pode morrer e matar com mais facilidade. Quer um incentivo maior a guerra do que esse? Você não está destruindo ninguém, a morte é simplesmente uma “mudança de plano” porque você é imortal de fato.

Teístas dizem que todos têm que ser morais. Que não há exceção. Que as pessoas precisam ter moral porque moral é o bem. Mas existe uma pessoa que está acima da moral. Essa regra só é valida para humanos, Deus está acima da moral. Ele não precisa obedecer à regra. De novo eles propõem uma regra e aparecem com uma exceção.

O fato é que isso leva as pessoas a fazerem coisas que nunca fariam normalmente. Uma pessoa normal, em geral, não ia sair por ai matando e estuprando sem sentir pena do próximo porque ele consegue se colocar no lugar do outro e ver sua vulnerabilidade, já que também é vulnerável. Mas Deus está acima de tudo. Deus está acima da moral e da ética. Assim se eu lhe disser que Deus o mandou matar, estuprar, roubar, destruir, você mata, rouba e destrói porque a moral não é valida para Deus. Ou seja, tudo que Deus mandar torna-se automaticamente moral, então, o representante de Deus na terra tem essa vantagem sobre políticos. Se Deus mandou, é moral.

Dizem que Deus é o bem. É o amor. No entanto o mundo está cheio de coisas más. Dizem que Deus pode acabar com o mal num piscar de olhos. Mas ele não acaba com o mal. Por quê? Ninguém explica.

Dizem que Deus um dia acabará com o mal. Esse dia nunca chega. Mas continuam acreditando. Ou então dizem que esse plano tem o mal, mas outros não. Porque Deus ia fazer um plano com mal e outro não? Qual o motivo? Ninguém explica. E quando explicam dizem que Deus está acima do bem e do mal. Que apesar dele fazer coisas imperfeitas, ele continua sendo perfeito. Como a perfeição pode gerar a imperfeição?

Dizem que Deus é onisciente, mas que temos livre arbítrio. Como temos livre arbítrio se Deus já sabe tudo que faremos antes mesmo de nascermos? Se ele já sabe tudo que vai acontecer, então tudo já está escrito, se tudo já está escrito, tudo está determinado, se tudo está determinado, o pecado não existe porque ninguém agiu por livre e espontânea vontade.

Se o pecado não existe, tudo está acontecendo exatamente como Deus queria desde o principio.

Ou seja, Deus escreveu que o World Trade Center seria atacado por terroristas. Deus escreveu ou determinou que crianças seriam estupradas. Deus escreveu todas as guerras. Deus determinou todo o mal que acontece com você. Deus determinou porque ele fez tudo e por isso sabe tudo que vai acontecer. Todos são simplesmente atores representando um papel. Essa doutrina leva a imoralidade porque a pessoa não é responsável por nada. Não podemos nem culpar ninguém por nada porque tudo que acontece é vontade de Deus. Uma folha não cairá sem a permissão de Deus. Se alguém pode surpreender Deus, fazer algo que Deus não espera, então Deus não saberia, mas como Deus sabe, então tudo está determinado e, portanto a pessoa não tem livre arbítrio.

E o que é pior, nem Deus tem livre arbítrio, pois ele já sabe tudo o que ele vai fazer no futuro. Ele está determinado a fazer tudo exatamente como ele fez já que ele sabe seu próprio futuro. Saber não é uma possibilidade. Saber implica em ter certeza absoluta que as coisas vão acontecer exatamente como vão acontecer. Sem desvios. Se Deus sabe seu futuro, ele é escravo da determinação também. E se é escravo do script, então não é todo poderoso porque ele não pode fugir dele. Tudo vai acontecer exatamente como ele sabe, portanto ele não tem o poder de mudar nada, senão ele não saberia. Portanto a onisciência de Deus é descartada, pois gera muitos paradoxos.

Se o homem não tem livre arbítrio, nem Deus tem. E se Deus é onisciente, ele não seria todo-poderoso, pois não conseguiria fugir do script, teria que fazer o que sabe que fará. Sendo assim, esqueça as profecias de Deus, elas não precisam se concretizar porque Deus não é onisciente. Essas profecias são no máximo o que Deus quer que aconteça e não o que acontecerá, pois Deus não pode saber o resultado.

Dizem que o homem não pode fazer o impossível, mas Deus é a exceção, ele pode fazer o impossível. Pode Deus fazer uma pedra que ele não pode levantar? Pode, porque ele é Deus, ele pode fazer tudo, só que se ele não puder levantar a pedra, ele não é todo poderoso. Dizem que Deus não faz essa pedra porque não quer fazer. Mas a história é a mesma. Se ele cismar de fazer a tal pedra, de veneta, como tudo que Deus faz, então ele não poderia levantá-la já que ele a fez com o propósito de não levantá-la. E ai ele perderia a capacidade de ser todo poderoso. Se Deus não pode perder esse atributo, então é impossível para Deus fazer algo impossível a sua natureza.

Deus não pode fazer tudo porque ele poderia fazer coisas que o destruiriam, por exemplo. Poderia se matar. Poderia se machucar. Deus pode se destruir porque ele pode tudo. Alguns índios acham que Deus sumiu porque ele fez algo que o destruiu. Acham isso ridículo? Mas não é porque ele pode fazer tudo. Deus pode fazer outro Deus maior e mais poderoso que ele? Pode, porque ele pode fazer tudo, mas se ele fizer algo maior que ele, ele deixa de ser Deus e esse outro Deus pode destruí-lo porque também pode tudo.

Dizem que Deus é tudo. Deus é cocô? Deus é urina? Deus é o avião que derrubou o World Trade Center? Deus é o ódio? Deus é a avareza? Deus é o assassino e a vitima? Deus é a faca que mata, e a maca que leva ao pronto-socorro? Deus é um dente cariado?

Dizem que Deus é onipresente. O que isso significa? Que ele está em toda parte. Se é assim, Deus mora no inferno. Deus mora no Afeganistão. Deus mora no Brasil. Deus está em todos os recônditos do espaço. Deus está em todo mundo. Deus seria o universo. Seria tudo de bom e ruim.

Dizem que Deus vê tudo. Você faz amor em frente dos seus pais? Você vai ao banheiro na frente de todo mundo? Mas você faz todas as suas intimidades na frente de Deus? Tudo mesmo? Todo tipo de ato sexual? Sabendo que Deus está olhando cada movimento? O Espírito Santo dá palpites no seu ato sexual? E quando você vai ao banheiro?

Teístas sempre respondem que Deus é tudo aquilo que foge a regra. Dizem que Deus é o inexplicável. Nós, os céticos, temos um nome para coisas que acontecem sem eira nem beira, sem razão, sem lógica, sem explicação. O nome disso é Acaso. O Deus dos teístas é o Acaso!

Nós, céticos sabemos que o Acaso existe, só que não o adoramos. Não pedimos coisas de joelhos ao Acaso porque sabemos que o Acaso é arbitrário, faz o que lhe dá na telha sem razão alguma. Esse é o nome de seu Deus: Acaso.

random_dice

Autor: jmsilv@gmx.com

Written by jmsilv

27 de fevereiro de 2009 at 5:29

Gênesis 3

leave a comment »

snake_render_02

De 1 a 5: A serpente, o bicho selvagem mais malandro de todos os animais do campo que Deus tinha feito disse. — Ei, Vida (Eva), o Senhor falou que vocês não podiam comer de nenhuma árvore do jardim?

—Claro que não, — respondeu Vida — Ele falou que não podemos comer só daquela que está no meio do jardim. Nem podemos tocar, se a gente comer ou tocar, morre na hora.

— Papo furado, — disse a serpente. —Claro que vocês não vão morrer. O Senhor sabe muito bem que no dia que vocês comerem dessa árvore, vão deixar de ser inocentes e serão iguais ao Senhor, ou seja, saberão a diferença entre o bem e o mal. Por que você acha que a árvore se chama “Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal”. Acha que é à-toa? Se fosse para matar, o nome dela seria “Árvore da Morte”, igual a outra é chamada de “Árvore da Vida.” Abre os olhos, Vida!

6 e 7: Vida correu e foi contar a novidade a Barrinho Vermelho (Adão).

—Ei, Barrinho, tenho uma novidade. Você quer deixar de ser besta?

— Ei, por você está me chamando de besta? Você também é!

— Concordo. A gente não sabe nada. Vivemos na infância eterna. Sempre vamos precisar do Papai do lado para falar tudo que é certo e errado. Você não está cansando disso? Não quer decidir por si mesmo o que é certo ou errado?

— Sei lá, sou meio preguiçoso para pensar, talvez seja mais conveniente deixar o Senhor decidir tudo.

— Bem, a decisão é sua. A gente não sabe de nada, não sabe a diferença entre o bem e o mal, então, se eu comer da árvore para adquirir conhecimento, eu não poderei ser punida já que sou inocente. Eu não posso ser punida por algo que não sei: A diferença entre o bem e o mal.

— Faz sentido — disse Adão — A gente não sabe de nada, então como vamos saber que desobedecer é errado?

— É isso aí. A gente obedece ou desobedece, mas sem saber o que é certo ou errado, então, vamos desobedecer, que diferença faz? A gente é ignorante que nem anta mesmo, igual a qualquer outro animal. É por isso que a gente fala com animais, a gente é igual a eles. Eles não sabem a diferença entre o bem e o mal e muito menos a gente. Somos duas antas infantis.

— Faz sentido mesmo, então vamos lá, pega o fruto aí e vamos comer.

Depois que comeram, notaram pela primeira vez o corpo um do outro, e Barrinho olhou para baixo, para sua saliência e disse para Vida.

— Epa, Vida, eu olho para você e meu troço cresce, acho melhor você sair da frente porque eu não sei até que tamanho esse troço vai chegar. Se ele resolver crescer rápido demais, pode furar você.

— Caramba, Barrinho, é verdade, esse troço está se agigantando, mas olha aqui, eu já tenho um buraco feito. Então, se ele crescer rápido na minha direção, eu deixo o buraco na frente, aí, pelo menos ele não vai me furar.

— Peraí, acho melhor a gente fazer algo para tapar meu bicho e seu buraco, senão essa minhoca vai entrar aí mesmo. E eu não sei se ele não vai varar do outro lado.

Ao falarem isso, os dois foram até as árvores e fizeram uma espécie de saia e sunguinha, aí, o bicho de Barrinho continuou a querer se libertar e entrar na toca, mas pelo menos o mato o prendeu um pouco, mas bastava ele olhar as protuberâncias pontudas no peito de Vida…

—Vida, é melhor você cobrir esse peito ai, senão vai furar o olho de alguém.

Aí, os dois ficaram cobertinhos, um com medo de um furar o olho do outro e o outro com medo de varar o outro.

De 8 a 19: Lá estava o Senhor, fazendo sua caminhada diária quando se tocou que algo estava errado. Não havia nada na sua frente para ele tropeçar. Não era esse tipo de erro. Como Ele era onisciente, Ele já sabia o que ia acontecer e já sabia o que tinha acontecido, Ele estava esperando isso desde que havia feito Vida, Barrinho e a serpente. Chegara o momento da segunda fase do jogo.

Barrinho e Vida ouviram os passos do Senhor e se esconderam no meio do mato. Não adiantou. O onisciente gritou — Cadê vocês?

— Eu ouvi o Senhor andando na floresta e fiquei com medo porque estou peladinho da Silva. E meu negócio fica crescendo toda hora quando eu olho para Vida.

—Quem falou para você que estava pelado? Você comeu dá árvore que eu falei para você não comer?

Até parece que o Senhor não sabia. Mas tinha que ter o drama, né? Tinha que fazer o fuzuê senão não passavam para a segunda fase. E o Senhor já estava com o saco cheio de ver os dois inocentes brincando o tempo todo. Tudo cansa, né? Haja saco.

Barrinho, como o covarde que sempre seria, já foi logo dedurando Vida.

— Perai, Senhor, eu comi, sim, mas foi Vida que meu deu para comer.

Ai, Vida não agüentou e disse — Seu dedo-duro. Por que você não assume que comeu porque quis, igual a mim? Assuma a responsabilidade pelos seus atos, bunda mole! Eu não forcei você a comer, você concordou que a gente não sabia o que era obedecer ou desobedecer, então comeu igual a mim! E a gente não sabia mesmo, só está sabendo agora.

— O que você fez? — Perguntou Deus a mulher.

— Bem, Senhor, já que Barrinho me dedurou, eu vou abrir o bico também. Mas o Senhor é onisciente, então, já sabe tudo mesmo. Mesmo que a gente não falasse nada, o Senhor ia saber mesmo. Então, lá vai, foi a serpente que me passou a perna, por isso eu comi. Ela me enganou porque na certa já tinha comigo da árvore. E ela passou a perna em mim mesmo, porque eu era inocente e burra como uma anta, mas agora eu estou por dentro do lance, então eu sei que ela queria que eu deixasse de ser criança. Vá saber por que, de qualquer forma, eu comi, sim, e dei para Barrinho porque ele pediu.

O Senhor pensou, “Puxa, Vida até que é esperta mesmo.”, mas o jogo tem que continuar.

— Serpente, por sua causa, amaldiçôo todos os animais, mas você vai ter uma maldição maior. Você vai viver se rastejando todos os seus dias, então, lá se vão suas pernas e braços. De agora em diante, você será mais baixa que bunda de sapo e vai comer pó todos os dias da sua vida. Não literalmente, claro, porque cobra não come pó, mas como vai andar com a cara perto do chão, vai comer pó mesmo.

De Vida vai surgir todos os homens e mulheres, e eles vão te odiar e te cobrir de chutes quando te ver, e você vai querer morder a canela de todo o mundo. Vai ser um tal de chute no coco, mordida na canela, e aí vamos ver quem dura mais. E seus filhos serpentes não herdarão a inteligência da árvore, então estarão na desvantagem.

Quanto a você, Vida, acabou a mamata, de agora em diante, quando você parir, vai sentir dor. Vou aumentar pacas sua dor. Você vai se contorcer toda na hora de parir.

E não fica por ai não. Você pode querer não parir já que sabe que o parto vai fazer você sentir dor, mas você será controlada pelo desejo. Você sentira um grande desejo por Barrinho e isso vai fazer com quem ele tenha domínio sobre você. Ele lhe controlará pelo seu desejo e você acabará abrindo o que interessa.

Prepare-se, pois logo, saberá.

E você, Barrinho Vermelho, acabou a vida mansa. Você era meu jardineiro, mas vivia na boa, quase não tinha nada para fazer num paraíso tropical como esse. Mas agora, já era. Esse chão todo dessa região que você habita está amaldiçoado, tudo será deserto ou similar, você terá que batalhar muito para conseguir tirar o sustento da terra. Pode se preparar para morrer de trabalhar para não morrer de fome, porque eu não vou lhe dar nada. Trabalhe, vagabundo, já era a moleza!

Eu ainda por cima vou encher plantas de espinhos, aí, se você se distrair fura as mãos. E vai ser assim de agora em diante, você vai ter que trabalhar igual condenado, perai, é condenado mesmo, bem, você vai trabalhar como um condenado que é até morrer e voltar a ser o que era. Ou seja, você é barro vivo, pois eu fiz você de barro e lhe dei vida, e vai voltar a ser barro morto.

Pronto, a segunda fase começaria agora. Barrinho e Vida não eram mais crianças, a idade adulta começava. Iam ter que constituir família e trabalhar para viver.

20: Agora, Barrinho Vermelho viu que o Senhor o inspirou a chamar sua companheira de Vida, porque afinal, agora ela daria vida a todos os que passariam a existir no futuro. Então, ela era de fato vida. Se ela não tivesse desobedecido, talvez só ficassem duas pessoas eternamente no paraíso, mas como ela desobedeceu; agora a terra seria povoada de um canto a outro. A desobediência rendera juros e correção monetária para a raça humana.

Aí, já que a vida tinha ficado dura, Deus pegou dois animais, matou, e arrancou o couro deles e fez roupas para Barrinho e Vida. Ele podia tê-los deixado com suas folhinhas, mas agora tudo os machucaria mais facilmente devido a maldição, maldição essa que foi preciso para o surgimento da humanidade. Esse havia sido o primeiro parto de Vida e a primeira dureza de Barrinho. Para se tornarem adultos e darem inicio a família humana, foi necessário deixarem a casa do Pai. Não é isso que todo mundo tem que fazer cedo ou tarde? E os filhos deixam a casa do pai quando acham que podem decidir por si mesmos o que é certo ou errado em suas vidas. Se um filho não come da árvore do conhecimento do bem e do mal, ficará na eterna infância dependendo do Pai. Sigam em frente, Barrinho e Vida. Sua vida adulta começa aqui.

20-24 O Senhor largou Vida e Barrinho no jardim e foi correndo falar com sua corte. Eles sabiam a diferença entre o bem e o mal, como o Senhor, e também tinham vida eterna, como o Senhor. O Senhor não queria que Vida e Barrinho tivessem vida eterna, pelo menos, não agora. Ele disse aos outros:

— Olhem, Barrinho e Vida são como nós agora. Eles sabem a diferença entre o bem e o mal. Mas não queremos que vivam eternamente como nós, então, vocês querubins, guardem a árvore da vida, não deixe que eles se aproximem dela de forma alguma. Levem a espada flamejante e deixem-na voando em volta da árvore para guardá-la.

E assim foi feito, e a árvore foi guardada até que Barrinho e Vida não mais pudessem ver o Éden.

Written by jmsilv

27 de fevereiro de 2009 at 2:15

Gênesis 2

with 2 comments

adam-and-eve1,2, 3 Deus acabou de fazer o mundo no sexto dia e descansou no sétimo e por isso o abençoou.

_Ufa, que trabalhão, vou descansar porque estou pregado. Bem, já que eu sou todo poderoso, eu nem devia descansar, mas pelo visto até eu fico cansado. Vou abençoar esse dia com certeza, vocês viram, até eu canso. Preciso de alguém para cuidar das minhas plantas, um jardineiro. Vou fazer alguém usando aquele barro ali, aí, minhas plantinhas vão ficar uma gracinha. Basta eu fazer uma estátua de barro e soprar no seu nariz e pronto, homem instantâneo. Lógico que como sou onipresente podia cuidar das plantas, mas não teria graça, melhor fazer um jardineiro.

4,5,6,7: Deus fez o jardineiro do barro para lavrar a terra, pois as plantas precisavam de chuva e de um jardineiro. Como ele foi feito da terra vermelha, Deus o chamou de Barrinho Vermelho (Adão).

8,9: Agora que Deus já tinha seu jardineiro, então nada melhor que fazer o jardim, portanto, no Éden, Ele fez seu jardim e colocou Barrinho Vermelho para cuidar dele. Lá, havia todo tipo de árvore, mas as principais eram duas, a da vida e a do conhecimento entre o bem e o mal.

—Eu sou todo-poderoso, mas pelo visto eu preciso de jardim e de um jardineiro. Acho que estou fazendo isso porque viver eternamente sozinho coçando o saco é muito monótono. Haja saco! Mas vou tornar o jogo interessante, vou colocar essas duas árvores no jardim só para ver o que o jardineiro vai fazer. Eu já sei o que ele vai fazer, já que sei tudo, mas é gostoso ver o negócio se desenrolar. Apesar de para mim ser uma reprise, quando o filme é bom, é gostoso ver duas vezes.

10 até14: Um rio saia do Éden e virava 4, que são Pison, Giom,Tigre e Eufrates.

15 até 17: Deus pegou seu jardineiro e mandou-o cuidar do jardim, dizendo— Barrinho, pode comer as frutas de qualquer árvore, menos da do conhecimento entre o bem e o mal, se você comer, morre. Nem queira saber por que a árvore da morte é chamada de “Árvore do Conhecimento entre o Bem e o Mal”. Eu sou Deus e chamo as coisas do que eu quiser. (Ao falar isso, Deus deu uma risadinha interior, pois Ele sabia que na primeira oportunidade, o homem ia se empanturrar com o fruto da árvore. Que a brincadeira começasse!)

18 a 20: Deus pensou, – Caramba, é muito trabalho, vou fazer alguém para ajudar meu jardineiro.

Aí, Deus pegou seu barrinho mágico e fez todos os animais. Tanto os animais terrestres quanto os pássaros. Deus começou a trazer os animais para Adão e pediu para ele dar nome a todos. Demorou mais ou menos uns 5000 anos, só para dar nome a todos os animais da terra, e olha lá, porque tem animais pacas. Ou talvez foi só os animais do jardim. Vá saber.

O jardineiro deve ter testado todos os animais, mas não achou nenhum ajudante adequado. Vá ver que ele não sabia usar arado, o boi seria interessante, e ovelhas são usadas por homens para umas coisinhas até hoje, mas pelo visto, a ovelha não fez tanto sucesso. A chita deve ter ficado pê da vida, mas o jardineiro não quis a macaca também.

21-23 Deus pensou— Pelo visto, meu jardineiro, o Barrinho Vermelho (Adão), não quer que nada que veio do barro, como ele, o ajude. Vou apelar para outra coisa.

Depois de pensar isso, Deus olhou para Barrinho e ele caiu no sono (Ainda bem que caiu numa moita macia). Deus foi até ele, arrancou sua costela e dela, Ele fez uma ajudante para Barrinho.

Não demorou muito, o jardineiro acordou e viu aquele ser diante de si. E Deus foi logo explicando — Essa aí eu não fiz de barro não, Barrinho. Eu a arranquei de você mesmo, por isso eu o fiz cair no sono, para eu tirar um pedaço seu para fazê-la. Já que você não gostou de nenhum dos seres que eu fiz de barro, como você, então, talvez algo feito de você mesmo você goste. Vamos lá, dê um nome a ela igual você deu a todos os animais que você rejeitou como ajudante.

Aí, Barrinho olhou com os olhos esbugalhados e disse — Agora sim! Achei que você não ia conseguir nunca fazer um ajudante apropriado, Senhor.

Deus fez cara de poucos amigos com a observação, mas não disse nada, “moleque atrevido”, pensou.

Barrinho continuou — Essa aí saiu dos meus ossos e da minha carne. Eu sou vivo, ela saiu de algo vivo e não de algo morto como o barro, sendo assim, vou chamá-la de Vida (Eva).

24 Diz o verso aqui que o homem vai largar o pai e a mãe e ficar com sua esposa, já que são feitos da mesma carne. Como Barrinho e Vida não tinham pai nem mãe, então, largariam aquilo mais próximo ao termo, Deus, ou seja, quando Deus fez Vida da costela de Barrinho Vermelho, ele já sabia que os dois iam seguir seu destino sem Ele do seu lado o tempo todo. Afinal, Deus é onisciente, então, Ele já sabia no que ia dar tirar vida de vida e não do barro. Assim, o jogo estava seguido conforme planejado.

25: Aí, Barrinho e Vida saíram brincando, totalmente pelados, no jardim. Totalmente inocentes. O homem dava tapa na bunda da mulher e não achava nada de errado nisso. Ela pegava sua protuberância abaixo da barriga e puxava e ele achava engraçado. Ele agarrava os seios dela e mordia e ela achava o maior barato.

Deus olhava o espetáculo e achava “da hora”. Mas ele sabia no que ia dar muito em breve. Afinal, Deus sabe tudo.

Written by jmsilv

26 de fevereiro de 2009 at 21:54

DEBATES BÍBLICOS: JOÃO 3

with 3 comments

bloody-bibleCapítulo 3
1  E havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. 2  Este foi ter de noite com Jesus e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és mestre vindo de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.

—Ou o diabo. Afinal, não diz a bíblia que o diabo pode fazer maravilhas para ludibriar o ser humano? E ele foi a noite, sugerindo que já era crente, mas não queria admitir a luz do dia, ou seja, esse Nicodemos é suspeito, porque ele já vai logo dizendo que Jesus só podia ser de Deus.

3  Jesus respondeu e disse-lhe (puxa, como a bíblia é repetitiva, se tirar a repetição acho que perdemos a metade das páginas): Na verdade, na verdade te digo que (frase inútil, porque ficar toda hora repetindo isso?) aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.

4  Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Porventura, pode tornar a entrar no ventre de sua mãe e nascer?
5  Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que (blá-blá-blá, parece os caras que falam “ta sabendo, ta sabendo, ta sabendo”) aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus. 6  O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.

— Ou seja, tem que ser batizado para mostrar que nasceu de deus, mas esse vício de linguagem de Jesus era irritante. “Na verdade, na verdade te digo”, imagina se tudo que eu dissesse eu falasse isso antes?

Em Alemão é cansativo também, mas menos: Ich will dir etwas sagen

Em espanhol é cansativo também: De cierto, de cierto te digo

Francês também: En vérité, en vérité, je te le dis

Italiano também: In verità, in verità ti dico che

Pelo menos em inglês é mais legal porque rima Verily, verily, I say unto thee, o verily rima com thee, fica menos cansativo.

7  Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.

8  O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.

— Então, o que é nascido do espírito é um nômade? Um vagabundo que não para quieto? Eu não acho que a tradução esteja correta. A palavra pneuma é usada duas vezes nesta frase porque pneuma significa fôlego, espírito e vento. Por que nos outros lugares da bíblia a palavra para vento é anemos, em geral, e aqui não? Traduziram o primeiro pneuma como vento e o segundo como espírito, mas vejam os dois como espírito: O Espírito sopra onde quer, e você ouve a voz dele, mas não sabes donde ela vem, nem pra onde ela vai, assim é todo aquele que nasce do espírito.

Parafraseando: O Espírito está sempre falando, mas a maioria não ouve, os que ouvem, começam a soprar (pregar) para todo lado com a voz do espírito, apesar da maioria não dar ouvidos também.

Posso ser cético, mas odeio tradução mal feita.

9  Nicodemos respondeu e disse-lhe ( de novo repetição inútil, Deus, se você inspirou esse livro, precisa falar com um bom editor): Como pode ser isso?

10  Jesus respondeu e disse-lhe (Nem precisava repetir de novo): Tu és mestre de Israel e não sabes isso?

— Também, com tradução mal feita, acho que nem a maioria entendeu mesmo.

João 3, 3:11 Na verdade, na verdade te digo que nós dizemos o que sabemos, e testificamos o que vimos; e não aceitais o nosso testemunho.

— Você é gago? Por que falou “na verdade” duas vezes? Engasgou-se com a palavra? Eu vou acreditar em você só porque você falou que viu algo e que sabe o que viu?


3:12 Se vos falei de coisas terrestres, e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?

— E isso aí, não creio mesmo, então nem adianta querer falar sobre isso.

3:13 Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu.

— Você não falou que eu não ia acreditar, então, está falando por quê? E hoje em dia, um monte de gente sobe ao céu, tem avião para todo lado. Além do mais, até onde sei, têm outros que subiram ao céu, lá na época do Velho Testamento, então não queira me enrolar, hein. Eu estou sabendo que pelo menos dois caras subiram ao céu com corpo e tudo. O Enoque foi levado por Deus, checa aí, Gênesis 5:24 e o Elias, olha aí 2 Reis 2:11.

3:14 E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado;

— Estou sabendo do papo de Moisés e da serpente de bronze, está em números 21:4-9. Mas não esqueça que foi Deus que mandou serpentes morderem os hebreus. Ele lançou as serpentes só porque o povo reclamou da falta de comida e da longa caminhada. Estavam morrendo de fome num deserto interminável que tinham que percorrer, e muitos morreram mesmo e os sobreviventes tinham razão de reclamar. Deus não é todo poderoso? Por que não teleportou todos para a Terra Prometida igual o pessoal da Jornada nas Estrelas? Ou seja, Deus lança as pragas e depois providencia a cura só para ser elogiado, certo? E tem a serpente do Éden também, que Deus colocou no meio do jardim. Você não seria na verdade a serpente do Éden? Não é você que está deixando tantas pessoas doentes apenas para curá-las e depois ser adorado? Se você é bom mesmo, cure todas as pessoas do mundo agora, neste instante. Senão, a única coisa que vou pensar é que sua vaidade o faz adoecer as pessoas só para que elas implorem para ser curadas e com isso você ganha gloria. Ou seja, você é igual um cientista que tem uma indústria farmacêutica e que lança um vírus no mundo e obriga as pessoas a pagarem pela cura. Boa comparação, não diria?

3:15 Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

— Conheço um monte de gente que acreditou e morreu, são mais de 2000 anos de cadáveres. No deserto, os que olhavam para a serpente não morriam se fossem picados por outra, ou seja, a prova era imediata. Você está pedindo para eu apenas crer e já terei vida eterna. Mostre alguém que acreditou e viveu pelo menos 200 anos, e eu vou ter a prova de que você está falando a verdade.

3:16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

— Filho unigênito, ou seja, filho único, vocês gostam de usar palavras anacrônicas, hein? Não estou entendendo bem esse papo de filho único. Até onde sei, Deus criou toda a humanidade, e se Ele a criou, então, todos são filhos de Deus. Não através do sexo, é claro, mas são filhos de Deus, então, que papo é esse de filho único? Esse papo de “filho único” é porque você foi milagrosamente depositado na barriga de Maria? Meio difícil de engolir, não diria? Mesmo assim você não seria “filho único”, por que Adão foi feito diretamente por Deus, sendo assim, você no mínimo seria irmão dele. E não vamos nos esquecer dos anjos, também feitos diretamente por Deus, sendo assim, não somente os anjos são seus irmãos, mas Satanás também é o  seu maninho, não diria? Então, esse título de “filho único” não cola.

3:17 Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.

— Mas quem é que vai condenar o mundo se não acreditarem no filhinho do papai? Quem vai jogar pragas atrás de praga (Apocalipse) se não acreditarem no seu filhinho favorito? “Favorito”, porque já mostrei que de único, você não tem nada. Então, isso é uma mentira deslavada. Você está dizendo que se eu não acreditar eu serei condenado. Está me ameaçando? Acho melhor parar de me ameaçar ou vai levar umas bordoadas. Você está me forçando a acreditar por medo de condenação. Isso cola para muitos trouxas, mas não para mim. Você está dizendo a mesma coisa que alguém que chegasse para mim e dissesse, “Ou você acredita que vi um disco voador, ou te dou uma surra.” Viu como o que você está fazendo é ridículo? Se você tem provas, prove, senão, cale-se.

3:18 Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

— Ai, se entregou, hein? Você falou que veio salvar o mundo, mas agora abriu o jogo, hein, serpente. Está deixando claro que quem não crê já está condenado, igualzinho eu falei, Srta. serpente.  Você está me ameaçando. Então, acho melhor você não esticar o papo senão vai levar.

3:19 E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.

— Quer dizer que só porque não acredito no seu conto de fadas, eu serei condenado? Eu não sou mal coisa nenhuma e nem muitos menos minhas obras. Você está dizendo que apenas porque não creio na sua ladainha eu sou mal e faço o mal? Você nem me conhece e já vem com esse papo? Muita arrogância. Eu amo a luz, não faço o mal, e não creio na sua ladainha. E não vamos esquecer de budistas bons, islâmicos, ateus, agnósticos, e mais uma infinidade de pessoas com filosofias e religiões diferentes no mundo. Você está dizendo que basta eu não crer na sua ladainha e já sou mal e minhas obras são más? Conta outra.

3:20 Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas. 3:21 Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.

— Quanta petulância. Querer que eu creia em você só porque você diz que se eu não crer, sou mal e serei condenado. Praticar a verdade? Você está falando que sou mentiroso também só porque não creio no seu conto de fadas. Só tolos mesmo para se deixar levar por esse papo. Infelizmente o mundo está cheio de crédulos que preferem crer em algo apenas por puro medo de punição se não crer. Muitas religiões usam essa tática, mas a sua é uma das principais. Se seu deus fosse bom mesmo, não obrigaria o ser humano a fazer a seguinte escolha terrorista: “Creia em mim ou te torturarei eternamente!”

O fato de você estar insistindo tanto para que eu creia apenas prova UMA COISA: Você não pode provar NADA do que está falando.

22  Depois disso, foi Jesus com os seus discípulos para a terra da Judeia; e estava ali com eles e batizava. 23  Ora, João batizava também em Enom, junto a Salim, porque havia ali muitas águas; e vinham ali e eram batizados. 24  Porque ainda João não tinha sido lançado na prisão.25  Houve, então, uma questão entre os discípulos de João e um judeu, acerca da purificação.26  E foram ter com João e disseram-lhe: Rabi, aquele que estava contigo além do Jordão, do qual tu deste testemunho, ei-lo batizando, e todos vão ter com ele.

27  João respondeu e disse (vou arrancar esse “e disse”): O homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu.  28  Vós mesmos me sois testemunhas de que disse: eu não sou o Cristo, mas sou enviado adiante dele.  29  Aquele que tem a esposa é o esposo; mas o amigo {Gr. filho} do esposo, que lhe assiste e o ouve, alegra-se muito com a voz do esposo. Assim, pois, já essa minha alegria está cumprida.  30  É necessário que ele cresça e que eu diminua.  31  Aquele que vem de cima é sobre todos, aquele que vem da terra é da terra e fala da terra. Aquele que vem do céu é sobre todos. 32  E aquilo que ele viu e ouviu, isso testifica; e ninguém aceita o seu testemunho.

— E por que vou aceitar o testemunho de que um doido qualquer veio do céu? O fato de você ser crédulo não me torna um..

33  Aquele que aceitou o seu testemunho, esse confirmou que Deus é verdadeiro.

—Papo furado, aquele que aceita o testemunho de alguém sem nenhuma evidência não passa de um tolo. Imagina se os tribunais fossem totalmente baseados só em prova testemunhal e que ninguém precisasse apresentar prova nenhuma? Já imaginou o estado de caos que seria a justiça? Ela já é muito falha com todo o aparato de provas, imagina se fosse se basear apenas em testemunhas, que em geral mentem muito. Não é à-toa, Joãzinho, que você foi parar na prisão, na certa, sua terrinha baseava seu sistema de justiça no que você está falando.

34  Porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, pois não lhe dá Deus o Espírito por medida.(ou seja, dá de montão, certo? Estou explicando para o povo entender melhor seu linguagjar arcaico) 35  O Pai ama o Filho e todas as coisas entregou em suas mãos.

— Ou seja, Deus se aposentou e entregou tudo na mão do filhinho.Já vi essa história antes, quando o filho de Davi tentou tomar-lhe o trono. Ele dizia para todos não falarem diretamente com Davi e sim com ele como intermediário.

36  Aquele que crê no Filho tem a vida eterna, mas aquele que não crê no Filho não verá a vida, mas a ira de Deus sobre ele permanece.

— Bem, pelo menos a ira que está falando aqui é a que já sentimos e não o inferno. Só sei que com esse papo, Jesus conseguiu destronar Deus. Um homem se tornou o próprio Deus na cabeça das pessoas. Isso não é idolatria? Deus não é ciumento? Está na cara que o Deus que estão falando não é o deus do velho testamento. Aquele não deixaria nunca filho nenhum tomar seu trono.

jmsilv@gmx.com

Written by jmsilv

26 de fevereiro de 2009 at 11:06

Publicado em Debates Bíblicos

Tagged with , ,

A Criação de Deus

leave a comment »

Desejo, necessidade, carência, emoções, sentimento, prazer e dor são as forças que comandam o ser humano. Elas originaram todas as criações humanas, não importa o quão importantes ou insignificantes tenham sido essas realizações.

Que necessidades e sentimentos deram origem às religiões?

creating-god

Várias emoções deram origem às crenças religiosas. Sem dúvida, o medo foi a emoção que mais provocou esses sentimentos no homem primitivo. Medo da fome, de animais, de doenças, da morte e mais uma infinidade.

Como o conceito de causa e efeito era mal desenvolvido nesses seres primitivos, eles atribuíam causas sobrenaturais a todos os fenômenos naturais. Como o ser humano era capaz de manipular a matéria e criar artefatos, ele calculou que o mundo era uma espécie de artefato criado por outro ser ou seres maiores que ele, mas análogo a si próprio e atribuiu as desgraças e felicidades que lhe aconteciam a esses seres, assim explicando os acontecimentos recorrendo a causas sobrenaturais.

Tudo era explicado através de lendas e mitos. Pois tudo era causado por deuses ou demônios. Não existiam causas naturais em sua concepção. Se tinham um ferimento ou moléstia qualquer, não procuravam uma causa natural para os mesmos, já sabiam as causas: Os deuses ou demônios tinham sido contrariados de algum modo. A única maneira de acabar com o sofrimento era através de suplicas a esses seres sobrenaturais. Às vezes, esses deuses ou demônios exigiam sacrifícios, e os primitivos não hesitavam em obedecer.

O conceito de deuses e demônios evoluiu com os tempos, mas, no entanto a idéia central foi passada de geração em geração. Tanto que ninguém nunca questionava ou até hoje, questiona essas idéias. Idéias desenvolvidas pelo homem primitivo. Geradas principalmente pelo medo.

Logo, alguns perceberam que esses deuses e demônios podiam ser usados de modo lucrativo. Através deles o povo podia ser levado à obediência. Mães e pais começaram a propagar esse tipo de crença e a gerar demônios aos montes, afinal, é mais fácil controlar uma criança pelo medo do que pela razão. Tanto que até hoje existem mais demônios que deuses. A criança ficava mais fácil de ser manipulada se tivesse medo do bicho papão e de todos os tipos de monstros que pudessem imaginar.

Não demorou muito e surgiu uma classe de pessoas que se diziam mediadores entre demônios, deuses e o povo. Diziam que tinham poderes especiais para aplacar a ira desses seres terríveis. Deu-se inicio aos rituais. Assim surgiu provavelmente a mágica, pois o povo precisa de um espetáculo para acreditar que alguém tem poderes especiais. E o que era uma simples mágica se tornava milagres incríveis para o cidadão comum, e dado o desejo de impressionar que motiva a maioria dos humanos, esses truques se tornavam milagres cada vez maiores de geração em geração na sua narrativa. Nunca subestime o poder de exagerar do ser humano.

Lógico que toda tribo, todo povo, tinha um líder ou lideres. E esses líderes logo perceberam que o poder que os mediadores entre o natural e o sobrenatural tinham sobre o povo podia lhes ser muito útil. Os lideres tinham o poder da força. Podiam obrigar o povo a fazer o que quisessem, no entanto, nenhum líder quer um cidadão rebelde. Quanto mais mansos, melhores. Pelo menos mansos em relação ao líder. Seria muito mais fácil para eles que os cidadãos aceitassem obedecer de livre e espontânea vontade e se possível, ainda deveriam ficar felizes em fazer a vontade do mesmo. Daí surgiu outro uso para a religião.

Quando um líder administrava mal sua tribo. Logo achava que um demônio ou deus estava atrapalhando seus planos, e pedia aos sacerdotes que aplacassem a ira do mesmo. Afinal, eles não podiam acreditar que eram incompetentes. Tudo era causado por deuses ou demônios. Não existiam causas naturais.

O povo também às vezes se rebelava por achar que o líder tinha atraído à ira de um deus ou demônio, convinha ao líder respeitar os mediadores, pois os mesmos podiam influenciar o povo na crença de que o único modo de melhorar as circunstâncias era eliminando o líder que tinha provocado a ira dos deuses ou demônios. Daí surgir o respeito dos lideres as autoridades eclesiásticas. O líder tinha a força como poder, mas os mediadores tinham deuses e demônios como ferramentas. E que forças terríveis elas são. E assim o poder secular e o poder eclesiástico começaram o seu reino, e religião e política sempre andaram ligadas desde então. Um casamento duradouro.

Outros fatores contribuíram para o advento da religião, é claro.

Baseamo-nos nas qualidades de nossos pais e lideres para explicarmos as qualidades e defeitos de Deus. A grande maioria dos atributos, bons e ruins, vieram desse tipo de comparação. Queremos o apoio e o carinho de nossos pais, e é claro, queremos o mesmo de Deus. Queremos agradar nossos pais e líderes e sendo Deus uma super autoridade, queremos agradá-lo mais ainda. Tememos nossos pais e lideres e o mesmo acontece com Deus.

Esse Deus social pune e recompensa, apóia e auxilia. Conforta-nos em tempos difíceis. Protege-nos quando estamos em perigo. Esse Deus tanto pode ser pessoal como tribal, ou pode incluir até mesmo toda a raça humana. Mas ele veio de uma comparação com as autoridades em nossa vida. Daí muitas religiões pregarem que a rebeldia contra uma autoridade qualquer seja uma rebeldia contra Deus. Desobedecer ao pai seria semelhante a desobedecer a Deus. Desobedecer ao rei é desobediência a Divindade. Daí a idéia de muitos de que a falta de uma autoridade estabelecida na vida da pessoa durante a infância pode levar ao ateísmo. O que pode conter um quê de verdade. Afinal, é baseando-se nas autoridades em nossas vidas que criamos o Deus social. A primeira autoridade em nossas vidas é geralmente o pai e é por isso que Deus é chamado de pai em muitas religiões. Daí a explicação também, de que existe a possibilidade de uma criança se tornar atéia se houver a ausência do pai ou uma autoridade bem estabelecida em sua vida.

O medo da morte é outra grande motivação para as religiões. Todos morrem. Nossos pais morrem. Nossos filhos morrem. A morte está em toda parte. Para que você viva, algo tem que morrer. A morte é o preço da vida, afinal, ninguém pode viver comendo pedras. Só seres vivos podem nos dar a energia para continuarmos vivendo.

O problema é que ninguém quer morrer. Todos se agarram a vida. É um instinto natural em todos os animais. Mesmo quando a vida é insuportável, os seres se agarram a ela. Seres humanos não poderiam escapar desse apego ferrenho. Todos tentam preservá-la a todo custo. Como os seres humanos são provavelmente os únicos animais a saberem que vão morrer, como essa idéia nunca os abandona, como esse medo é mórbido. Deus não poderia ficar de fora.

No começo o único bem precioso que o primitivo tinha era a vida. Era a única coisa que possuía. Tudo o mais era passageiro. Ele sabia que ia morrer, mas aceitava a morte de bom grado, contanto que tivesse uma vida abençoada. E para que sua vida fosse abençoada, recorria aos deuses, é claro. No começo, a vários deuses, e depois ao grande chefe, ao Deus dos deuses. Lógico que até hoje temos religiosos politeístas que recorrem a deuses menores, ou santos, ou a aspectos do Deus maior. Mas todos são aspectos. No final, todos crêem que existe um maior que todos. Pois isso é baseado na sociedade em que vivem. Existem vários lideres, mas existe um presidente, ou chefe ou algo parecido que manda nos chefes menores.

A idéia de recorrer somente a um ser superior nunca colou muito com os humanos. Por isso, inventaram todo tipo de anjos ou demônios ou seres menores para explicar tudo que acontecia. Mas no começo, esses serem deveriam cuidar principalmente para que tivessem uma vida boa, abençoada, cheia de prazeres. E um único Deus não poderia explicar todos os fenômenos, daí todas as religiões terem demônios para explicar as coisas ruins, e disso também veio a idéia de um Grande Diabo. O chefão de todos os demônios. Pelo que eu saiba nenhuma religião conseguiu escapar da criação desse ser. De algum modo, ele sempre existe.

Com o passar dos tempos, os seres humanos não se contentaram mais em simplesmente ter uma vida boa. Precisavam de algo mais. E também não suportavam a vida que levavam, pois a mesma sempre fora cheia de problemas. Tinham que defender Deus, seu conceito de Deus, diante de tantas desventuras, daí o Diabo. Mas achavam que deveria haver um plano de existência em que o Diabo não participasse. Um plano perfeito. Pois ninguém conseguia acreditar que essa vida imperfeita fosse a única. O ser humano começou a imaginar como seria uma vida sem a necessidade da morte. A morte, a grande destruidora. A morte, que torna todos os esforços inúteis. A morte, que sempre interrompe os planos dos mais prudentes. A onipresente morte.

O ser humano tem uma imaginação estupenda. Quando concebe algo, tem o poder de criar as formas mais incríveis de realidade. E como a vaidade nos leva a nos agarrarmos a nossas idéias, e dado o fato de a ciência não ter existido num passado muito remoto, chegamos a acreditar veementemente em nossas idéias e imaginações, não importando o quão sublimes ou ridículas sejam.

Do fato de não nos conformarmos com a morte, de desejarmos viver, não importa em que condições, surgiram a grande maioria das idéia sobre vida depois da morte. Afinal, como justificar um Deus todo bondade, se não inventarmos uma realidade em que o mal não existe? Deve haver um plano de existência em que o demônio não participe. E para que Deus seja bondoso, como queremos que seja, pois o estamos comparando a um pai bondoso que tudo pode, precisamos inventar um céu. O céu é aquilo que o mundo deveria ser.

As escrituras judaicas exemplificam bem tanto a religião do medo como a religião da moral. Pois contem ambos os fatores em seus dogmas. Deus está sempre ali tanto para punir como para recompensar. E é um moralista em todas as áreas da existência humana.

O sexo é um fator interessante nas religiões. Quase todas elas tentam controlá-lo de alguma forma. Em quase todas elas, ele é um tabu. Algo que deve ser feito mais por obrigação do que por prazer. Creio que isso decorre do fato de, no começo, como as pessoas não sabiam das causas naturais das coisas, atribuíam as doenças venéreas ao castigo de Deus.

Quando participavam de algum ato sexual e uma doença se desenvolvia, na certa, Deus não gostara do que fizeram. O sexo desregrado também leva a gravidez indesejada, e convinha aos lideres religiosos controlar essa atividade de algum modo. Daí Deus ter se tornado moralista quanto a essa questão. A moral veio da necessidade de se diminuir as doenças venéreas cujas causas eram desconhecidas. Hoje todo esse moralismo não é mais tão necessário, existem meios melhores de controle, no entanto, é difícil acabar com hábitos arraigados.

A grande maioria das religiões trata da moral e da ética e dos bons costumes. Mas, muitas vezes, o fato de fixarem pensamentos em forma escrita dificulta a evolução moral. Muitos acham que o que está escrito foi escrito por Deus e, portanto imutável. Mas o que deu origem a moral foi um fato passado que muitas vezes não existe mais. A religião moral é superior a do medo. No entanto, quase nenhuma religião contem somente um elemento. Todas contem elementos tanto de medo como de moral. Geralmente os elementos mais avançados da sociedade seguem mais a religião da moral, e os mais atrasados, a do medo.

Deus sempre é na maioria das vezes antropomórfico. Deus é sempre um homem gigantesco na maioria das religiões. Com todas as qualidades e defeitos do mesmo. Defeitos e qualidades ampliadas a proporções gigantescas é claro. Isso acontece porque o homem não consegue conceber algo além daquilo que é, ou daquilo que seus sentidos mostram.

Outros acreditam que Deus é algo inconcebível, e, portanto temos que acreditar pela fé ou não acreditar, pois não temos como provar a existência de tal ser. Ele está além de nossos sentidos, sendo assim, além do natural. Ou seja, ele é sobrenatural. Mas é impossível ao homem falar de algo que não conhece pelos sentidos, e por isso usam um palavreado incompreensível aos não iniciados.

Poucos indivíduos passam desse nível de Deus antropomórfico. Só as camadas mais avançadas da população chegam a conceber um Deus como uma força, algo totalmente diverso do ser humano. Algo transcendente. As religiões do oriente chegaram a transferir esse pensamento para muitos dos membros da população. Mesmo assim, o povo, na sua maioria, não consegue conceber Deus como uma força. As religiões do oriente não conseguiram passar esse pensamento nem para as camadas mais avançadas, muitos tem esse pensamento, mas a maioria ainda ora para um Deus pessoal parecido com ele mesmo, e a idéia de o homem ser a imagem de Deus ainda torna esse pensamento mais difícil de mudar.

Existe outra forma de conceber Deus. Podemos concebê-lo como o Cosmo. O universo. Tudo que existe. Essa forma se chama Panteísmo. Que é uma forma de adorar o universo chamando-o de Deus. Essa forma de adoração está presente em todos os níveis. Muitas tribos primitivas adoram a natureza e a chama de Deus, e muitas pessoas avançadas são atéias, mas veneram tanto o universo que o mesmo se torna quase um Deus.

Alguns indivíduos adoram a ordem que permeia o universo como a um Deus. Sentem um sentimento de encanto ante a imensidão do cosmo e da ordem e as leis que o regulamentam. Sentem grande prazer em descobrir tudo sobre esse cosmo. Esses são em geral, cientistas. Que se contentam em deixar seus desejos mundanos de lado e se concentram em descobrir os mistérios que os permeiam. Esse mistério e seu desvendamento se tornam uma religião para eles. Einstein, que me inspirou muito, é um exemplo desse tipo de pensamento, assim como Espinosa. Eles procuravam experimentar o universo como um todo harmônico, mas para isso é preciso se desvencilhar dos pensamentos voltados para si próprios, dos pensamentos, desejos e problemas individuais e se concentram no cosmo e seus mistérios como missão de vida, e não em dinheiro e problemas pessoais.

É claro que esse tipo de religião nunca agradou a maioria. Essa maioria está mais interessada nos problemas do dia a dia e precisam de um Deus mais mundano que possa lhes ajudar a superá-los. Precisam de um Deus pessoal que lhes entenda e lhes ajude nas horas mais difíceis. E o universo ou cosmo é indiferente as suas criaturas. O universo não é nem bom nem ruim, ele simplesmente é. Simplesmente é neutro. Não se preocupa com as criaturas que nascem dele. E a idéia do Grande Pai no Céu será difícil de ser eliminada.

O ser humano quer ser visto, de algum modo, quer se sentir importante, importante para alguém, sua vaidade não vai deixar essa idéia morrer facilmente.

Dessa forma percebemos qual é a grande diferença entre religião e ciência. A ciência se baseia nas leis da Causa e Efeito, e, portanto não pode conceber que exista um ser mudando as leis só por caprichos de sua vontade. Para a ciência, a lei de Causa e Efeito é Deus, ela é a grande divindade. A ciência só tem um soberano: as leis naturais. Tudo tem uma explicação natural, não sobrenatural. Ela acredita que as causas de todos os males ou bens do ser humano são naturais e não sobrenaturais, não acredita que existam seres em outras realidades manipulando essa.

A ciência não acredita nem na religião do medo e nem na da moralidade. A moralidade só diz respeito aos seres humanos e não ao cosmo ou Deus. Um Deus que pune e recompensa é inconcebível para a ciência, pois ela crê que as ações dos homens são determinadas por causas internas e externas acima de seu controle e que, portanto o mesmo não é de fato responsável pelo que faz. Todas as idéias dos homens vêem de fora de algum modo. Da sociedade que o cerca, dos livros que lê, das influências da sua vida. Além de influências de sua própria natureza. Pois cada um tem um modo de ser que é determinado pelos seus próprios genes. Alguns nascem calmos, outros agitados. Uns com propensão a violência, outros não. Uns são tigres, outros coelhos assustados. Uns tem corpos altos e fortes, outros são baixos e fracos. E assim por diante.

Como pode Deus castigar ou punir alguém quando pelo menos 90% da personalidade de uma pessoa é determinado por causas acima de seu controle? Além do mais, existem várias religiões na terra, cada um com regras especificas para se entrar no céu. Sendo assim, como pode uma pessoa ser salva simplesmente por ter tido a sorte de ter nascido no local adequado? Pois sabemos muito bem que 90% das pessoas adotam a religião de seu local de origem ou uma variante da mesma. E mesmo quando mudam de religião radicalmente, nunca conseguem deixar por completo as crenças adquiridas na infância. Mudam de religião, mas seu comportamento continua compatível com as crenças anteriores.

Cercado como está de influências tanto internas como externas acima de seu controle. Que critério usaria Deus para julgá-lo? Jesus pediu para que não julgássemos o semelhante. Tem ele o direito de nos julgar?

O comportamento ético de um ser humano deve se basear em suas necessidades sociais e individuais e religião não precisa entrar nessas questões. O melhor guia para o comportamento social é a razão. Tudo gera conseqüências. Toda causa gera um efeito. Regras fixas de comportamento não são compatíveis com o ser humano, pois fatos sociais mudam o tempo todo. O exemplo do sexo que dei acima é um deles. Quando a religião tenta fixar um tipo de comportamento está indo contra o próprio progresso humano, pois tenta fixar aquilo que não deve ser fixado. O meio ambiente muda o comportamento. E um comportamento mal adaptado leva ao sofrimento. Todo organismo deve fazer tudo para sobreviver da melhor maneira possível, e a maneira que um ser humano sobrevive é usando sua mente para seu beneficio e para o beneficio da sociedade como um todo. Se procurar progredir, acabará ajudando todos.

A educação tem um papel fundamental como meio de influenciar o comportamento dos indivíduos. Convém ensinar as pessoas a pensar e a agir em sociedade. As escolas deveriam focar na formação de um bom cidadão e não somente fazer com que pessoas acumulem conhecimentos que nunca serão utilizados. A escola deveria ensinar lógica, matemática e línguas desde o começo. A lógica serve para evitar que as pessoas sejam presas fáceis de qualquer aproveitador que apareça pela frente. Quando aprendemos a argumentar, carregamos isso para todos os departamentos de nossas vidas. Passamos a valorizar um argumento bem feito. Passamos a dar valor à razão, a lógica. O pensamento se torna orientador. Uma escola deveria se preocupar em ensinar os seres humanos a pensarem, pois a gente pensa somente quando quer de fato. Se não fizermos um esforço para pensar, simplesmente seguimos nossos instintos e as opiniões da sociedade. E para que haja progresso para a raça humana convém que a mente da mesma seja libertada.

Como passamos a maior parte do tempo debatendo e tentando convencer o próximo a adotar um ponto de vista qualquer, para que o debate não caia na violência é necessário que a criança aprenda a debater de modo civilizado, usando argumentos lógicos desde a mais tenra idade. Pena que as escolas não façam isso.

Os estudantes quase sempre simplesmente ficam sentados em algum ponto da sala absorvendo tudo que lhe é ensinado. Absorvem palavras, palavras que não tem sentido se não entenderem qual o propósito da aula, se não entenderem o ponto e se não manifestarem sua opinião. A forma de debate deveria ser a usada por professores na sala de aula.

A língua tem papel fundamental, pois é através dela que entendemos o mundo e transmitimos ao semelhante nossos conhecimentos. E é trocando informações que evoluímos, sendo assim, todos deveriam saber se expressar com desenvoltura. Não somente em sua língua de origem, como também em outras que sejam importantes para suas vidas práticas. E mais uma vez, a lógica adquire um papel importante, pois temos que usar argumentos lógicos para convencer e persuadir. Se enfatizarmos na escola a forma de persuasão como maneira de influenciar o ser humano, talvez parem um pouco de recorrer à violência.

A fé é inimiga da lógica, pois ela aceita uma premissa sem investigação posterior. Se ensinássemos as pessoas a pensarem logicamente, talvez parassem de se entregar a todo tipo de culto que aparece à sua frente. É a falta de lógica e de confiança em suas faculdades mentais que faz com as pessoas se entreguem a todo tipo de religião. Por mais absurda que seja.

A religião mantém as pessoas na infância eterna. Sempre se entregando a alguém para resolver seus problemas pessoais. A falta de consciência em suas faculdades mentais e o complexo de inferioridade faz com que muitos parem de pensar logicamente e se entreguem a todo tipo de pensamento, por mais absurdo que seja.

As pessoas raramente analisam as tradições de seu povo, simplesmente aceitam tudo. Será que isso é bom para a raça como um todo? Será que não precisamos de mais rebeldes ao invés de mais conformistas? Todo avanço foi uma rebeldia. Uma rebeldia contra os padrões vigentes. Um quebra de paradigma. Rebeldia não significa ser do contra. Significa ser verdadeiro consigo próprio. Fazer as coisas em que se acredita, e não fazê-las simplesmente por que todos fazem. Rebeldia também não é ir contra tudo só para ser diferente. Rebeldia é fidelidade a nossa natureza intima. Não é ser do contra ou a favor. É ser integro com o que se acredita.

Autor: jmsilv@gmx.com


Written by jmsilv

25 de fevereiro de 2009 at 18:08

Publicado em Teologia